Violentos incidentes praticados por palestinos contra israelenses têm levado medo às ruas do território judaico

Reuters

Palestinos armados com facas mataram uma mulher e feriram três outros israelenses, incluindo um soldado, em dois ataques separados na Cisjordânia e em Tel Aviv, declarou a polícia local. Os episódios fazem parte de uma violência crescente atiçada pelas tensões relacionadas a um santuário de Jerusalém.

Paramédicos socorrem soldado que foi ferido na cidade de Tel Aviv, no litoral israelense
Reuters
Paramédicos socorrem soldado que foi ferido na cidade de Tel Aviv, no litoral israelense

No primeiro incidente, um palestino esfaqueou e feriu gravemente um soldado em uma estação de trem de Tel Aviv, capital comercial de Israel que vinha sendo poupada de atentados desde o fim de uma revolta palestina em 2005. A polícia identificou o suposto agressor como morador da cidade palestina de Nablus, na Cisjordânia ocupada. Ele foi preso.

Leia mais:
Palestino atira carro contra pedestres e mata bebê em Jerusalém
Em meio a tensão, motorista atropela pedestres e é morto a tiros em Jerusalém
Ato terrorista põe em xeque processo de paz entre Israel e Palestina

Um porta-voz da polícia disse que, horas mais tarde, um palestino saiu correndo de um carro e esfaqueou três pessoas do lado de fora do assentamento judeu de Alon Shvut, na Cisjordânia, matando uma mulher. O agressor foi ferido por um tiro disparado por um guarda.

As tensões entre israelenses e palestinos se agravaram por causa do acesso controlado por Israel ao complexo da mesquita Al-Aqsa de Jerusalém, o terceiro local mais sagrado pra o islamismo e onde templos judeus dos tempos bíblicos teriam sido erguidos.

Protestos de manifestantes munidos de pedras também irromperam em várias cidades árabes de Israel desde sábado, quando a polícia matou um jovem árabe que os atacou.

Não houve comentário de imediato do lado palestino após os atentados em Tel Aviv e na Cisjordânia.

Discursando no Parlamento após o ataque em Tel Aviv, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que “o terror... está sendo direcionado a todas as partes do país por uma razão simples: os terroristas, os incitadores, querem nos expulsar de todas as partes”.

“No que lhes diz respeito, não deveríamos estar em Jerusalém, Tel Aviv ou em qualquer lugar. Posso prometer uma coisa a vocês – eles não terão sucesso. Continuaremos a combater o terror... e iremos derrotá-lo juntos”, disse.

Cinco dias atrás, um palestino atirou seu carro contra pedestres em Jerusalém, o segundo incidente do gênero em igual número de semanas, matando dois israelenses. A polícia o matou a tiros.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.