Bloco africano pede que Burkina Faso não receba sanções internacionais

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente renunciou após pressões populares para impedir nova Constituição que possibilitasse eleição de mandatário que estava no poder há 27 anos; militares assumiram

Reuters

AP
Tenente-coronel de Burkina Faso Isac Zida (centro) deixa prédio do governo após reunião com líderes políticos em Ouagadougou (4/11)

O bloco do Oeste Africano Ecowas pediu que a comunidade internacional não imponha sanções contra Burkina Faso depois de os militares terem assumido o controle de uma transição após a renúncia do presidente Blaise Compaore.

Em um encontro extraordinário na capital de Gana, Acra, na quinta-feira (6), o Ecowas saudou comunicados emitidos pelo novo chefe de Estado, o tenente-coronel Isaac Zida, de que ele entregará o poder para um governo de transição em breve.

O Ecowas, que pediu uma transição de um ano até eleições em novembro de 2015, nomeou o presidente senegalês, Macky Sall, como principal mediador com o governo de transição, de acordo com um comunicado emitido após o encontro.

Leia mais: México confirma massacre de estudantes por policiais e traficantes

Usina nuclear japonesa de Sendai recebe aprovação regional para operar novamente

Zida, comandante operacional da guarda presidencial, autoproclamou-se presidente no dia 1º de novembro, um dia depois de Compaore renunciar e fugir do país em meio a grandes protestos por causa de seus esforços para mudar a Constituição e buscar a reeleição em 2015, após 27 anos no poder.

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana, que tem 54 nações e que impõe sanções por quebras no processo democrático, deu na segunda-feira aos militares duas semanas para devolverem o poder aos civis, ou enfrentariam sanções.

“Este encontro pede para que a comunidade internacional e parceiros não imponham sanções sobre Burkina Faso, por causa dos esforços em andamento para continuar apoiando o país nestes momentos delicados”, afirma o comunicado, publicado no site do Ecowas.

Os EUA disseram na semana passada que não tinham decidido se a ação militar caracterizava um golpe, uma distinção que pode levar à suspensão automática da ajuda militar a um dos principais aliados do Ocidente contra os grupos islâmicos na região.

Bisa Williams, vice-secretária assistente do Escritório de Assuntos Africanos do Departamento de Estado norte-americano, disse após conversar com Zida em Ouagadougou, neste sábado (8), que Washington está confiando em suas promessas de implementar um governo civil de transição, que organizará eleições em pouco tempo.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas