Série de explosões atinge alvos ligados ao Fatah na Faixa de Gaza

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ação teve como alvo casas e veículos de autoridades ligadas ao presidente palestino Mahmoud Abbas; ninguém ficou ferido

Reuters

Uma série de pequenas explosões em Gaza teve como alvo casas e veículos de autoridades do Fatah, movimento do presidente palestino, Mahmoud Abbas, nesta sexta-feira (7), causando pequenos danos e sem deixar feridos, disseram membros do partido e testemunhas.

Outubro: Premiê palestino chega a Gaza para primeira reunião do governo de unidade

Reuters
Menino palestino olha para fora de janela de ônibus enquanto ativistas protestam contra o que eles dizem ser as visitas de ativistas judeus da al-Aqsa em Gaza


Veja: Imagens de drone mostram destruição em Gaza após 50 dias de conflito

As explosões aconteceram pouco antes do 10º aniversário da morte do ex-presidente palestino e líder do Fatah Yasser Arafat, uma data que eleva as tensões entre o Fatah e o Hamas, grupo islâmico que domina a Faixa de Gaza.

O assessor sênior Abdallah Abu Samhadana disse que a comemoração de 11 de novembro prosseguiria apesar das explosões, das quais uma teve como alvo o palco de madeira no qual o evento será realizado.

"Ninguém vai nos impedir de realizar o evento, independentemente das explosões e terror que cometerem", disse Samhadana em um comunicado divulgado pela agência de notícias oficial palestina, a Wafa.

O Hamas condenou as explosões, dizendo serem um ato "criminoso", e ordenaram que aqueles que as realizaram sejam levados à Justiça.

Hamas e Fatah chegaram a um acordo, em abril, para formar um governo de "reconciliação", em um esforço para superar as profundas diferenças políticas que datam desde 2007, quando o Hamas tomou o poder em Gaza após uma guerra civil com o Fatah que durou semanas.

Não estava claro quem realizou os ataques desta sexta-feira, mas uma carta na cena de uma das explosões tinha a assinatura do Estado Islâmico.

Fontes do Fatah disseram duvidar que a carta fosse autêntica, acreditando que fosse uma tentativa dos agressores de espalhar o medo e encobrir sua verdadeira identidade.

Leia tudo sobre: GAZAFATAHisraelwafaabbas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas