Anistia pede libertação de apoiadores dos protestos em Hong Kong

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ao menos 76 detidos precisam ser soltos antes do início, na próxima semana, de uma cúpula econômica em Pequim, China

Reuters

A China precisa soltar pelo menos 76 detidos no território continental por apoiarem os protestos pró-democracia em Hong Kong, antes do início, na semana que vem, da cúpula econômica Ásia-Pacífico em Pequim, disse o grupo de direitos humanos Anistia Internacional nesta sexta-feira (7).

Ontem: Ativistas pró-democracia e a polícia se enfrentam novamente em Hong Kong

Reuters
Ativista pró-democracia se senta na chuva em estrada ocupada por manifestantes em Hong Kong


Ação: Ativistas convocam referendo para decidir futuro dos protestos em Hong Kong

Estudantes que cobram democracia total em Honk Kong, território controlado pela China, bloqueam as vias de acesso aos distritos mais importantes da cidade durante semanas, recebendo diversas críticas de Berlim e do governo local.

Líderes mundiais, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e o presidente chinês, Xi Jinping, vão se reunir para a cúpula de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), na capital chinesa. As reuniões preliminares já estão em andamento.

Músico: Kenny G incomoda governo chinês ao visitar ativistas em Hong Kong

"Líderes da Apec devem encerrar seu recente silêncio sobre a repressão contra ativistas chineses na China continental que expressaram apoio a manifestantes pró-democracia em Hong Kong. A conveniência política não deve superar a ação de princípios", disse Roseann Rife, diretora de pesquisa da região do leste da Ásia da Anistia Internacional.

Ativista usa escudo inspirado no herói da série em quadrinhos 'Capitão América' em uma rua principal do bairro Mong Kok, em Hong Kong  (6/10). Foto: ReutersManifestantes pró-democracia bloqueiam cruzamento no distrito de Mongkok (4/10). Foto: Bobby Yip/ReutersHomem segura cartaz com os dizeres 'Não seja fraco' perto de bloqueio feito pelo manifestantes pró-democracia (4/10). Foto: Bobby Yip/ReutersHomem tenta remover uma barricada feita pelos manifestantes pró-democracia que bloqueava rua no distrito de Mongkok (4/10). Foto: Bobby Yip/ReutersHomem que teria começado briga com manifestantes pró-democracia em Hong Kong fica algemado no chão (4/10). Foto: Bobby Yip/ReutersManifestantes pró-democracia (à esq.) para ativista anti-Pequim perto de barraca na rua principal de Hong Kong (3/10). Foto: ReutersAtivista pró-democracia, não retratado, discute com manifestante pró-Pequim, à dir., após ser chutado em Hong Kong (3/10). Foto: ReutersManifestante pró-democracia, centro, agarrado por um pró-Pequim, à dir., no distrito comercial de Mongkok, Hong Kong (3/10) . Foto: ReutersManifestante se emociona enquanto implora por uma solução pacífica para os protestos pró-democracia em Hong Kong (2/10). Foto: APManifestantes levantam as mãos como gesto de ação pacífica durante a mudança de turno policial em frente a um complexo do governo em Hong Kong (2/10). Foto: APAtivistas protestam enquanto cerimônia de hasteamento da bandeira chinesa é realizada com participação do líder de Hong Kong, Leung Chun-ying, na China (1/10). Foto: APPara editora da BBC, reivindicações fornecem 'propósito' ao movimento estudantil (30/09). Foto: ReutersÔnibus com mensagens de apoio para em uma rua no distrito comercial de Mongkok depois de milhares de manifestantes bloquearem estrada em Hong Kong (30/09). Foto: ReutersManifestantes bloqueiam a rua principal do distrito financeiro central em frente à sede do governo em Hong Kong (29/09). Foto: ReutersManifestante usa celular enquanto tem momento de descanso em Hong Kong (29/09). Foto: Reutersmanifestantes fogem de bombas de efeito moral em Hong Kong (28/09). Foto: ReutersMarcha pede eleições democráticas em Hong Kong (14/09). Foto: Reuters

"Estes líderes devem agarrar a oportunidade de falar e pedir para que o presidente Xi garanta que aqueles detidos apenas por exercerem seu direito de liberdade de expressão e livre associação sejam imediata e incondicionalmente liberados", disse ela em comunicado.

O Ministério de Relações Exteriores da China não respondeu imediatamente a pedidos de comentários sobre a posição da Anistia.

As pessoas foram presas por colocarem fotos online com mensagens de apoio, por planejarem ir a Hong Kong para participar dos protestos ou por rasparem suas cabeças em solidariedade, disse a Anistia.

Leia tudo sobre: protestos em hong konghong kongchinaanistia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas