União Africana nomeia enviado especial para controlar crise em Burkina Fasso

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente da comissão, Nkosazana Dlamini-Zuma, designou Edem Kodjo para ir ao país a fim de tentar facilitar uma solução

Agência Brasil

A União Africana (UA) informou nesta terça-feira (4) ter nomeado um ex-primeiro-ministro do Togo como enviado especial a Burkina Fasso em meio à revolta popular que derrubou o regime do presidente Blaise Compaoré.

Dia 2: Exército dispersa manifestantes na capital de Burkina Fasso

Reuters
Manifestantes entoam palavras de ordem contra policiais na sede da TV estatal em Ouagadougou, capital do Burkina Fasso (2/11)

Crise: ONU pede a militares que passem poder a civis em Burkina Fasso

A presidente da comissão da UA, Nkosazana Dlamini-Zuma, designou Edem Kodjo enviado especial do bloco na noite de segunda (3) depois de o Conselho de Paz e Segurança ter dado ao regime duas semanas para a volta de um governo civil.

Essa nomeação, disse Nkosazana Dlamini-Zuma em comunicado, "faz parte dos esforços da União Africana para facilitar a solução da crise que Burkina Fasso enfrenta".

Dia 1: Burkina Fasso: oposição rejeita militares no poder

Edem Kodjo vai trabalhar para apoiar uma rápida transição, civil, democrática e consensual, que irá conduzir à realização, o mais breve possível, de eleições livres, justas e transparentes, acrescentou.

O presidente Blaise Compaoré deixou o poder na última sexta-feira (31), após 27 anos, depois de manifestações e protestos populares exigindo a sua saída.

O Exército indicou o tenente-coronel Isaac Zida para liderar o período de transição, mas os partidos de oposição e as organizações da sociedade civil exigiram uma transição "democrática e civil", recusando a apropriação do poder pelos militares.

Leia tudo sobre: crise em burkina fassoburkina fassozidauniao africanauaafrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas