Separatista toma posse como presidente de Donetsk, no leste da Ucrânia

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Pleito de Alexander Zakharchenko o líder da autoproclamada república; eleição foi considerada ilegal por Kiev e o Ocidente

O líder separatista pró-russo Alexander Zakharchenko tomou posse nesta terça-feira (4) como presidente da autoproclamada República Popular de Donetsk, no leste da Ucrânia, depois de vencer as eleições separatistas de domingo. O pleito foi considerado ilegal por Kiev e pelo Ocidente.

Domingo: Rebeldes pró-Rússia elegem líder no leste da Ucrânia e crise se aprofunda

Reuters
Líder separatista Alexander Zakharchenko após cerimônia de inauguração de teatro em Donetsk, leste da Ucrânia


Crise: Europa não reconhecerá votação no leste da Ucrânia, diz Merkel a Putin

"Juro servir o povo da República Popular de Donetsk", declarou Zakhartchenko, ex-mecânico de 38 anos, que obteve 81% dos votos.

Uma cerimônia semelhante está prevista para ocorrer esta tarde em Lugansk, outro bastião dos separatistas onde o ex-militar Igor Plotnitsky, de 50 anos, obteve 63% dos votos. Seis meses depois do início do conflito, que já fez 4 mil mortos, Donetsk e Lugansk elegeram no domingo (2) os respectivos presidentes e parlamentos.

Lavrov: Rússia reconhecerá resultado das eleições na Ucrânia

Contrariamente à posição de Kiev, da União Europeia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte, que consideram a votação ilegal, a Rússia declarou respeitar a escolha do povo e pediu a Kiev que suspenda as operações militares no Leste e dialogue com as "autoridades locais legítimas".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta terça que a eleição realizada por separatistas foi "infeliz e contraproducente". Rebeldes pró-Rússia elegeram seu próprio líder no domingo, em uma votação considerada ilegal por Kiev e pelo Ocidente, o que agravou ainda mais o impasse entre Ucrânia e Rússia sobre o futuro da ex-república soviética.

Kiev: Presidente da Ucrânia conquista bancada aliada pró-Ocidente; Rússia preocupa

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Prefeito: Explosões são ouvidas em Donetsk após eleição na Ucrânia

Ban, em discurso realizado na Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Viena, disse que a situação na Ucrânia permanece sendo motivo de profunda preocupação. A OSCE tem Rússia e Ucrânia entre seus 57 membros.

"As eleições na parte leste do país no domingo passado são um acontecimento infeliz e contraproducente", disse Ban.

Conflito começou após a derrubada do presidente ucraniano apoiado por Moscou, Viktor Yanukovych, em fevereiro. A Ucrânia e o Ocidente acusam a Rússia de enviar armas e soldados para ajudar os rebeldes. Moscou nega.

Rússia: Putin culpa Ocidente por crise na Ucrânia e nega formação de império

Um cessar-fogo assinado em 5 de setembro encerrou os confrontos de grande escala, mas bombardeios esporádicos continuam. Kiev afirma que os separatistas quebraram o acordo firmado no cessar-fogo ao realizarem eleições sem o envolvimento do governo central ucraniano.

*Com Reuters e Agência Brasil

Leia tudo sobre: russia na ucraniaucraniakievyanukocyhonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas