Pleito de Alexander Zakharchenko o líder da autoproclamada república; eleição foi considerada ilegal por Kiev e o Ocidente

O líder separatista pró-russo Alexander Zakharchenko tomou posse nesta terça-feira (4) como presidente da autoproclamada República Popular de Donetsk, no leste da Ucrânia, depois de vencer as eleições separatistas de domingo. O pleito foi considerado ilegal por Kiev e pelo Ocidente.

Domingo: Rebeldes pró-Rússia elegem líder no leste da Ucrânia e crise se aprofunda

Líder separatista Alexander Zakharchenko após cerimônia de inauguração de teatro em Donetsk, leste da Ucrânia
Reuters
Líder separatista Alexander Zakharchenko após cerimônia de inauguração de teatro em Donetsk, leste da Ucrânia


Crise: Europa não reconhecerá votação no leste da Ucrânia, diz Merkel a Putin

"Juro servir o povo da República Popular de Donetsk", declarou Zakhartchenko, ex-mecânico de 38 anos, que obteve 81% dos votos.

Uma cerimônia semelhante está prevista para ocorrer esta tarde em Lugansk, outro bastião dos separatistas onde o ex-militar Igor Plotnitsky, de 50 anos, obteve 63% dos votos. Seis meses depois do início do conflito, que já fez 4 mil mortos, Donetsk e Lugansk elegeram no domingo (2) os respectivos presidentes e parlamentos.

Lavrov: Rússia reconhecerá resultado das eleições na Ucrânia

Contrariamente à posição de Kiev, da União Europeia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte, que consideram a votação ilegal, a Rússia declarou respeitar a escolha do povo e pediu a Kiev que suspenda as operações militares no Leste e dialogue com as "autoridades locais legítimas".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse nesta terça que a eleição realizada por separatistas foi "infeliz e contraproducente". Rebeldes pró-Rússia elegeram seu próprio líder no domingo, em uma votação considerada ilegal por Kiev e pelo Ocidente, o que agravou ainda mais o impasse entre Ucrânia e Rússia sobre o futuro da ex-república soviética.

Kiev: Presidente da Ucrânia conquista bancada aliada pró-Ocidente; Rússia preocupa

Prefeito: Explosões são ouvidas em Donetsk após eleição na Ucrânia

Ban, em discurso realizado na Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Viena, disse que a situação na Ucrânia permanece sendo motivo de profunda preocupação. A OSCE tem Rússia e Ucrânia entre seus 57 membros.

"As eleições na parte leste do país no domingo passado são um acontecimento infeliz e contraproducente", disse Ban.

Conflito começou após a derrubada do presidente ucraniano apoiado por Moscou, Viktor Yanukovych, em fevereiro. A Ucrânia e o Ocidente acusam a Rússia de enviar armas e soldados para ajudar os rebeldes. Moscou nega.

Rússia: Putin culpa Ocidente por crise na Ucrânia e nega formação de império

Um cessar-fogo assinado em 5 de setembro encerrou os confrontos de grande escala, mas bombardeios esporádicos continuam. Kiev afirma que os separatistas quebraram o acordo firmado no cessar-fogo ao realizarem eleições sem o envolvimento do governo central ucraniano.

*Com Reuters e Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.