Internada com infecção, Cristina Kirchner cancela encontro com Michelle Bachelet

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A presidente da Argentina foi internada depois de se sentir mal no último domingo. Segundo os médicos, seu quadro é estável

A presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, 61, vai continuar hospitalizada devido a uma inflamação no cólon sigmóide. Por esse motivo, ela cancelou um encontro com a líder chilena, Michelle Bachelet, informou seu gabinete nesta terça-feira (4).

Ontem: Presidente da Argentina é hospitalizada

AP
Cristina Kirchner acena a simpatizantes após discurso na Casa Rosada, em Buenos Aires, Argentina (jan/2014)


Setembro: Presidente da Argentina diz ter recebido ameaças do Estado Islâmico

Cristina foi internada depois de se sentir mal no último domingo (2). Segundo os médicos, seu quadro é estável e ela está sendo submetida a tratamento com antibióticos e permanecerá na clínica Sanatorio Otamendi em Buenos Aires para fazer exames.

Ela deu entrada na clínica com febre, disseram os médicos. Cristina encontra-se "estável, continua no hospital sob tratamento com antibióticos intravenosos e está sob observação", acrescentaram.

Política: Santiago del Estero pode se tornar a nova capital da Argentina

Por causa de sua situação, o encontro da presidente argentina com Michelle Bachelet, agendado para esta terça foi cancelado, informou o porta-voz presidencial, Alfredo Scoccimarro.

As duas líderes planejavam uma teleconferência com o papa Francisco, que também foi adiada, acrescentou o porta-voz.

Desde que assumiu o governo da Argentina, Cristina tem enfrentado uma série de problemas de saúde. A presidente retomou às atividades no dia 21 de outubro, depois de um período de descanso de 48 horas devido a uma faringite.

Em julho, Cristina também fez uma pausa de dois dias por causa de dores na garganta e de uma laringite. Essa pausa acabou por se prolongar por mais de uma semana e a levou a alterar sua agenda e adiar uma viagem ao Paraguai.

Há pouco mais de um ano, ela foi operada de um hematoma cerebral e ficou sem trabalhar durante seis semanas, mas os resultados dos exames pós-operatórios foram positivos.

*Com AP e Agência Brasil

Leia tudo sobre: argentinacristina kirchnerbuenos airesbacheletparaguaichile

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas