Estado Islâmico torturou crianças curdas reféns, diz grupo de direitos humanos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Esse grupo era forçado a assistir a vídeos de decapitações e apanhava com cabos durante meses, diz Human Rights Watch

Reuters

Militantes do Estado Islâmico na Síria forçaram crianças de 14 anos em diante a assistirem a vídeos de decapitações e bateram nelas com cabos durante os seis meses em que foram mantidas em cativeiro, disse a organização Human Rights Watch nesta terça-feira (4).

Crimes: Estado Islâmico mata 300 membros de uma mesma tribo sunita no Iraque

AP
Crianças refugiadas sírias observam através da janela de um prédio que virou centro de refugiados em cidade que faz fronteira com a Turquia (19/10)


Heroína ou lenda urbana: Jovem guerrilheira curda vira "Anjo de Kobani"

Os militantes muçulmanos sunitas sequestraram um grupo de crianças no dia 29 de maio, quando retornavam para a cidade síria de Kobani após prestarem um exame escolar na cidade de Aleppo, e libertaram os últimos 25 reféns em 29 de outubro.

O Estado Islâmico assumiu o controle de faixas territoriais de Iraque e Síria, declarando um califado islâmico transfronteiriço. Seus combatentes mataram ou forçaram a fuga de muçulmanos xiitas, cristãos e outras comunidades que não partilhem as crenças que o grupo radical tem do Islã.

O abuso de mais de 150 crianças configura um crime de guerra, segundo a Humans Right Watch, que citou testemunhos colhidos em entrevistas com quatro garotos que estavam no grupo sequestrado.

Ontem: Canadá lança primeiro ataque aéreo contra Estado Islâmico no Iraque

As crianças descreveram serem forçadas a orar cinco vezes ao dia e serem submetidas a intensa doutrinação religiosa, assim como serem forçadas a assistir vídeos do Estado Islâmico em combate e da decaptação de prisioneiros, disse a organização de defesa dos direitos humanos sediada em Nova York.

"Aqueles que não se conformavam com o regime eram espancados. Eles batiam em nós com uma mangueira verde ou um cabo grosso com um fio dentro. Eles também batiam na sola dos nossos pés", disse um dos garotos, segundo a entidade.

Outubro: Estado Islâmico executa 220 iraquianos de tribo opositora no Iraque

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Iraquianos: Forças curdas entram na Síria para combater Estado Islâmico

"Eles algumas vezes encontravam desculpas para bater em nós por nenhuma razão... Eles nos fizeram aprender versos do alcorão e bateram naqueles que não conseguiram aprendê-los."

Os garotos disseram não terem recebido nenhum justificativa para o sua libertação, se não de que sua educação religiosa estava concluída. A última criança a ser libertada buscava agora asilo na Turquia, disse o organização humanitária.

Aqueles cujos familiares integravam a milícia curda chama YPG, que tem defendido Kobani, foram destacados para receberem castigos, disseram as crianças.

Síria: Estado Islâmico liberta 25 crianças curdas que foram sequestradas

Seu algozes, que vieram da Síria, Jordânia, Líbia, Tunísia e Arábia Saudita, "disseram a eles para darem os endereços de seus familiares, primos, tios, afirmando que 'quando formos a Kobani, vamos pegá-los e cortá-los'. Eles consideravam o YPG como infiel", disse um garoto de 15 anos.

Outras crianças e adultos curdos continuam em cativeiro, disse a organização humanitária. Acredita-se também que o Estado Islâmico mantenha até 10 ocidentais como prisioneiros, incluindo jornalistas.

Leia tudo sobre: eiileiil no iraquesiriaturquiakobani

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas