De acordo com a polícia local, eles foram linchados sob a acusação de profanar o Alcorão, o livro sagrado do islamismo

BBC

Um casal cristão foi espancado até a morte por uma multidão enraivecida no Paquistão depois de terem sido acusados de profanar o Alcorão (o livro sagrado dos muçulmanos), segundo a polícia local.

Relembre outros tristes casos de linchamento pelo mundo:

Os corpos foram queimados em um forno na cidade de Kot Radha Kishan, na província de Punjab, no noroeste do país, onde o casal trabalhava.

Leia mais:
Caso da cristã condenada à forca por blasfêmia no Paquistão vai à suprema corte
Polícia não fez nada para impedir linchamento, diz marido de paquistanesa morta

A polícia identificou as vítimas apenas pelos nomes de Shama e Shehzad, segundo a agência de notícias AFP.

Blasmêfia é um assunto extremamente delicado no país, e críticos apontam que as leis são frequentemente usadas para fazer acertos de contas e perseguir minorias.

Um oficial de segurança disse à BBC que a polícia tentou salvar o casal, mas que não conseguiu porque o número de agressores superava em muito o de policiais. As mortes serão investigadas pelas autoridades paquistanesas.

Pena de morte
Em maio, na cidade de Multan, um atirador matou um advogado que estava defendendo um palestrante de uma universidade local por blasfêmia.

No mês passado, uma corte do país condenou uma mulher cristã à pena de morte. Ela havia sido condenada por blasfêmia em 2010, num caso que gerou grande comoção global.

Leia também:
Atentado suicida na fronteira entre Índia e Paquistão deixa 55 mortos
Salão de beleza ajuda mulheres atacadas por ácido no Paquistão

Desde os anos 1990, vários cristãos foram considerados culpados por profanarem o Alcorão ou por blasfêmia.

Apesar de muitos deles terem sido condenados à morte por cortes paquistanesas, várias das sentenças foram revertidas em instâncias superiores da Justiça do país por falta de provas.

No entanto, correspondentes dizem que a mera acusação de blasfêmia é suficiente para tornar uma pessoa alvo de religiosos mais fundamentalistas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.