Candidatos americanos recorrem a propagandas políticas bizarras

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Assim como ocorre no Brasil, nos EUA se tornaram comuns anúncios distantes dos tradicionais, como um em que um candidato empunha uma pistola e ameaça criminosos de Iowa

BBC

A campanha para as eleições legislativas americanas desta terça-feira (3) inclui uma boa dose de personagens, propostas e, principalmente, anúncios inusitados. Uma das propagandas eleitorais mais comentadas da disputa é a da candidata republicana ao Senado em Iowa, Joni Ernst.

You Tube/Reprodução
Candidato ao Senado pelo Iowa, Bob Quart exibe arma em aviso a quem ameaçar sua família

O anúncio intercala imagens de Ernst e de suínos, com direito ao som de grunhidos, enquanto a candidata diz que cresceu em uma fazenda, está acostumada a castrar porcos e, no Congresso, saberá cortar gastos. Ela encerra o anúncio afirmando: "Washington está cheia de gastadores. Vamos fazê-los guinchar".

O anúncio, lançado em março, foi considerado "bizarro" até por republicanos, mas parece ter surtido efeito. Apenas nos primeiros três dias, ele foi visto 400 mil vezes no YouTube, e o bordão conquistou o público.

Ernst ganhou a indicação republicana nas primárias e, segundo pesquisas de intenção de voto, deve bater o adversário democrata, Bruce Braley, na votação desta terça-feira.

Armas
Ao contrário de Ernst, o candidato Bob Quast, que também concorre ao Senado por Iowa, não pertence a nenhum dos grandes partidos nem tem chance de se eleger.

Mesmo assim, Quast conquistou alguns minutos de fama com um vídeo lançado em abril no qual aparece empunhando uma arma e deixando claro o que fará com quem ameaçar sua família – sua irmã foi assassinada pelo marido em 1999.

You Tube/Reprodução
Terry Lynn Land, candidata republicana ao Senado por Michigan, toma chá em anúncio

"Se você é o predador sexual e sociopata que assassinou minha irmã Lynette e vier à minha porta fazer mal às minhas filhas, eu vou usar a minha (pistola) Glock para estourar as suas bolas", diz o candidato, sorrindo para a câmera, enquanto faz sua defesa do porte de armas.

Quast também faz menção ao anúncio de Ernst em seu vídeo. "Por favor, não me confunda com a candidata republicana de Iowa ao Senado", diz ele, enquanto empunha uma faca e mostra a imagem de um porco.

Disfunção erétil
Outro anúncio que virou notícia, apesar de não ter necessariamente beneficiado seu autor, foi o de J. D. Winteregg, candidato apoiado pelo movimento conservador Tea Party.

Em sua mal-sucedida tentativa de vencer o presidente da Câmara dos Representantes, John Boehner, nas primárias que escolheriam o candidato do Partido Republicano em Ohio, Winteregg apostou em um vídeo inspirado em propagandas de medicamentos como Viagra ou Cialis.

Diante de várias imagens de casais se divertindo, o narrador insinua que Boehner sofre de disfunção erétil. "Pode ser uma questão de fluxo sanguíneo. Às vezes, quando um político está em Washington há tempo demais, sobe à sua cabeça e ele simplesmente não consegue fazer seu trabalho", diz o narrador.

O anúncio ainda tenta fazer um trocadilho entre o sobrenome do adversário e o termo em inglês para descrever uma ereção: "Se você tiver um Boehner durante mais de 23 anos (tempo em que o presidente da Câmara é deputado), busque um médico imediatamente".

Além de perder a primária, Winteregg também acabou perdendo o emprego de professor em uma universidade cristã por causa do anúncio.

You Tube/Reprodução
Anúncio de J. D. Winteregg inspirado em propagandas de estimulantes sexuais como Viagra

Silêncio
Eleito por alguns republicanos como o pior anúncio da campanha, o vídeo estrelado por Terry Lynn Land, candidata do partido ao Senado por Michigan, é marcado por um longo silêncio.

Falando diretamente ao espectador, Land rebate acusações de seu adversário democrata sobre sua oposição ao aborto.

"Gary Peters e seus camaradas querem que você acredite que estou travando uma guerra contra as mulheres. É mesmo? Pense nisso por um minuto", diz a candidata, para em seguida ficar em silêncio por vários segundos, enquanto toma uma xícara de café e olha para o relógio. Segundo as pesquisas, Land está 15 pontos atrás de Peters.

No Estado de Virginia Ocidental, a candidata ao Senado pelo Partido Democrata, Natalie Tennant, foi além na estratégia do silêncio. Em um dos anúncios de sua campanha, de quase dois minutos, o vídeo mostra imagens de Tennant e sua família, sem nenhum diálogo, legenda ou narração.

Leia tudo sobre: candidatoseleições nos eua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas