Europa não reconhecerá votação no leste da Ucrânia, diz Merkel a Putin

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

É na região onde ficam as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Luhansk, que apoiam anexação à vizinha Rússia

Reuters

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse ao presidente russo, Vladimir Putin, por telefone, que as eleições marcadas para domingo (3) no leste da Ucrânia não são legítimas e não serão reconhecidas pelos líderes europeus, informou um porta-voz do governo alemão nesta sexta-feira (31).

AP
Merkel, Poroshenko e Putin, em junho: trio teve conversa dura por telefone nesta sexta-feira

Merkel e Putin tiveram uma conversa telefônica conjunta com o presidente francês, François Hollande, e com o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, afirmou o porta-voz Georg Streiter, em entrevista coletiva.

Segundo ele, surgiram na conversa opiniões divergentes quanto às “chamadas eleições” de domingo nas autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Luhansk.

Leia mais:
Putin pede para discutir soberania do leste da Ucrânia. UE dá ultimato a Moscou
Presidente da Ucrânia conquista bancada aliada pró-Ocidente; Rússia preocupa

“Merkel e Hollande ressaltaram que só pode haver uma votação alinhada com a lei ucraniana”, dise Streiter, acrescentando que o pleito violaria um acordo endossado pela Rússia e complicaria ainda mais os esforços para encerrar a crise no leste da Ucrânia.

“O governo alemão não reconhecerá estas eleições ilegítimas”, disse o porta-voz de Merkel. Os líderes europeus estão unidos na questão e concordaram a esse respeito em uma cúpula realizada na semana passada, em Bruxelas.

Leia também:
Rússia ainda tem soldados na Ucrânia, diz Otan
Rússia reconhecerá resultado das eleições na Ucrânia, diz chanceler
Explosões são ouvidas em Donetsk após eleição na Ucrânia, diz prefeito

Mais de 3.700 pessoas foram mortas nos combates no leste da Ucrânia, onde rebeldes pró-Moscou tentam uma união com a Rússia. Um cessar-fogo está em vigor desde setembro, mas houve episódios isolados de violência desde então.

Um protocolo de doze pontos, divulgado depois de conversas no início do mês passado na capital bielorrussa, Minsk, envolvendo Rússia, Ucrânia, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e os líderes separatistas prevê a realização de “eleições locais antecipadas” no leste em acordo com a legislação ucraniana.

A votação de domingo pretende eleger líderes e um Parlamento para uma das autoproclamadas repúblicas populares.

Leia tudo sobre: europaucrâniarússia na ucrâniakievmoscouputinmerkelporoshenko

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas