'Comi grama e insetos para sobreviver', diz norte-coreana após fugir do país

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Yeomni Park afirma ter testemunhado execuções sangrentas e que a mãe foi estuprada quando sua família fugiu para a China

BBC

Aos 21 anos de idade, Yeomni Park diz ter se sentido muito perto da morte em sua Coreia do Norte natal.

Dia 22: Kerry saúda libertação de prisioneiro americano pela Coreia do Norte

BBC
Park hoje viaja o mundo contato experiência em país de origem


Dia 19: Soldados das Coreias do Sul e do Norte trocam tiros na fronteira

Ela disse à BBC que testemunhou execuções sangrentas e teve de comer grama e insetos para sobreviver no país asiático. Em 2007, quando Yeomni tinha 13 anos, sua família fugiu para a China em busca de uma vida melhor. Mas a mãe foi estuprada de forma brutal tentando proteger seus filhos, conta a jovem.

Ela agora vive na Coreia do Sul e viaja ao redor do mundo com a missão de sensibilizar o público estrangeiro sobre a dura realidade norte-coreana. Dá entrevistas e usa as redes sociais para espalhar uma mensagem em defesa dos direitos humanos dos seus compatriotas.

Como parte do projeto #100Women, a jovem compartilhou algumas de suas dolorosas memórias de infância com a jornalista Lucy Kockings. A série de reportagens e debate virtual está sendo produzida pela BBC pelo segundo ano consecutivo.

Infância difícil

Yeonmi e sua família viviam em Hyesan, um porto fluvial na fronteira com a China, onde seu pai exercia um cargo de média hierarquia no governo. Ela disse que na infância testemunhou muitas execuções – mas uma lhe tocou de forma especial.

"Era a mãe do meu melhor amigo, uma senhora muito amável que costumava me dar biscoitos, que me alimentava. Ela era muito simpática. Mataram não só ela, como outros sete jovens". O episódio ocorreu quando Yeonmi tinha apenas nove anos de idade.

A família fugiu para China, mas sofrimento continuou. Descrevendo suas lembranças de forma gráfica e com sentimento, a jovem diz: "Eu vi espalhados restos humanos, cérebros...nunca me esquecerei dessas coisas."

Reprodução/BBC
Família fugiu para China, mas sofrimento continuou

Fugir da Coreia do Norte não foi uma opção para Yeonmi e sua família, e sim a única esperança de sobreviver à fome. Além disso, em 2002, seu pai havia perdido os privilégios do governo e sido detido por "comércio ilegal" de produtos de contrabando que vendia para sustentar a família.

"Se ficássemos, morreríamos de fome. Tive que comer grama, libélulas e batatas congeladas", contou. Em março de 2007, a família cruzou a fronteira com a ajuda de contrabandistas.

Esperanças traídas

Yeonmi diz que a China se provou um novo pesadelo. "Pensei que a China seria melhor, mas não: foi pior", afirma. "Minha mãe foi estuprada na frente dos meus olhos. O agressor queria fazer sexo comigo e eu nem sequer sabia o que significava essa palavra. Ela se sacrificou por mim."

Apesar de suas experiências, Yeonmi não se considera uma pessoa especial. Explica que, como ser humano, não pode se esquecer daqueles deixados para trás.

"Como posso me sentir livre aqui, com tudo o que as pessoas estão vivendo no meu país? Vendem meninas da minha idade por US$ 200". "O regime norte-coreano tortura seus cidadãos", afirma.

Mas apesar das experiências fortes, em sua mensagem há espaço para um certo otimismo.

"Eu acredito na humanidade. Sou muito otimista e acredito que vamos sair desse terror."

Entre os dias 27 e 29 de outubro, a BBC promove o debate "100 Women", que reúne 100 mulheres que tiveram destaque em suas áreas. O projeto traz uma série de reportagens mostrando a vida de diferentes mulheres pelo mundo. Participe do debate no Facebook e no Twitter usando a hashtag #100Women.

Leia tudo sobre: coreia do norteyeomni

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas