Investigadores de queda do voo MH17 ainda esperam relatórios de EUA e Rússia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

EUA afirmam que imagens de satélite provam que o voo foi derrubado por míssil terra-ar de rebeldes apoiados pela Rússia

Reuters

Os promotores holandeses ainda aguardam os relatórios de inteligência dos Estados Unidos e da Rússia sobre a queda do voo MH17 da Malaysia Airlines, mas as leis norte-americanas sobre a divulgação de tais informações para investigações criminais complicam o processo, disse o governo da Holanda nesta terça-feira.

Os holandeses lideram o inquérito sobre a queda do Boeing 777, que caiu sobre território dominado pelos separatistas do leste da Ucrânia em julho causando a morte de todas as 298 pessoas a bordo, sendo dois terços de holandeses.

Corpos das vítimas do voo MH 17 partem da Ucrânia para a Holanda

Obama: Rússia tem responsabilidade sobre rebeldes na área onde avião malaio caiu

Atirador protege área onde caiu Boeing 777 da Malaysian Airlines (24/7). Foto: ReutersGuardas de honra levam caixão de uma das vítimas do voo malaio abatido na Ucrânia no aeroporto de Kharkiv (23/7). Foto: ReutersRebeldes fazem guarda enquanto monitores da Osce checam destroços do voo abatido na Ucrânia (22/7). Foto: ReutersEquipes resgatam corpos em meio aos escombros de avião que caiu na Ucrânia (21/7). Foto: APPeter Van Vilet, líder da equipe holandesa de investigações forenses, sai de vagão após inspecionar trem refrigerado na Ucrânia (21/7). Foto: APLíder separatista Aleksander Borodai, ao centro, entrega caixas-pretas do voo MH17a Mohamed Sakri (D.), da Malásia (21/7). Foto: Maxim Zmeyev/Reuters/NewscomBoa parte das cidades da Holanda tiveram o sábado (19) marcado por homenagens aos 193 cidadãos mortos em queda de avião na Ucrânia (19/7). Foto: AP PhotoReprodução de vídeo divulgada por Kiev nesta sexta (18/7) supostamente mostra caminhão carregando lançador de míssil Buk usado para abater avião malaio. Foto: ReproduçãoA malaia Siti Dina chora após ver o nome da filha na lista de passageiros a bordo do voo MH17 da Malaysia Airlines em aeroporto de Sepang, Malásia (18/07). Foto: ReutersHomem (azul) cuja família estava a bordo do voo MH17 consola outro que tinha acabado de chegar com a esposa para confirmar mortes (18/07). Foto: ReutersMulher reage a notícias sobre a queda de avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia no aeroporto internacional de Kuala Lumpur em Sepang, Malásia (18/07). Foto: APParentes de passageiros a bordo do voo malaio que caiu na Ucrânia chegam a ao aeroporto internacional de Kuala Lumpur, Malásia (18/07). Foto: ReutersReação de uma mulher em frente a embaixada holandesa em Moscou, Rússia (18/07). Foto: Reuters'Nós sentimos muito, muito, muito. É uma vergonha terrível', diz mensagem deixada em frente a embaixada da Holanda em Moscou, Rússia (18/07). Foto: ReutersGaroto deixa flores em frente a embaixada da Holanda em Moscou, Rússia (18/07). Foto: ReutersMembros do Ministério de Emergência ucraniano procuram corpos perto do local onde avião malaio caiu na Ucrânia (18/07). Foto: ReutersTapete cobre corpo de passageiro do voo malaio que caiu em vila perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersFlores sobre pertences pessoais de passageiros do voo malaio abatido perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersPertences pessoais de passageiros do voo malaio abatido perto de Donetsk, Ucrânia (18/07). Foto: ReutersMulher afirma que parente estava no avião da Malaysia Airlines e se emociona(17/07). Foto: ReutersDestroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia (17/07). Foto: ReutersDestroços de avião da Malásia e corpos são encontrados no leste da Ucrânia (17/07). Foto: ReutersSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: Reprodução TwitterSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: Reprodução TwitterSegundo uma autoridade da Ucrânia, a aeronave teria sido abatida por um míssil lançado por militantes pró-Rússia (17/07). Foto: ReproduçãoBoeing com 295 passageiros voava de Amsterdã para Kuala Lumpur (17/07). Foto: ReutersAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: Reprodução TwitterBoeing com 295 passageiros voava de Amsterdã para Kuala Lumpur (17/07). Foto: ReutersVídeo feito após queda do avião da Malásia que caiu na Ucrânia (17/07) . Foto: Reprodução TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: ReproduçãoAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa (17/07). Foto: Reprodução/TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: ReutersAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: Reprodução/TwitterAvião da Malásia cai na Ucrânia perto da fronteira russa
. Foto: ReutersVisão geral mostra o local onde um Boeing 777 da Malaysia Airlines caiu em Grabovo, na região de Donetsk, Ucrânia. Foto: Reuters

Como o local do acidente é perigoso demais de ser alcançado devido aos combates, os investigadores vêm contando sobretudo com informações disponíveis ao público para realizar um inquérito à distância.

Os governos de EUA e Rússia, citando dados de inteligência indisponíveis ao público, já declararam versões diferentes para a queda da aeronave.

Ontem: Corpos de vítimas do voo MH17 chegam em área controlada por Kiev

Os EUA afirmaram que suas imagens de satélite provam que o voo MH17 foi derrubado por um míssil terra-ar disparado por rebeldes apoiados pela Rússia, que por sua vez diz que uma aeronave militar ucraniana abateu o avião.

“É desejável que os promotores recebam mais informações dos EUA relacionadas à investigação criminal”, afirmou o governo em uma carta ao Parlamento.

Os parlamentares indagaram se os norte-americanos forneceram imagens dos dez minutos anteriores e posteriores à queda. Só as últimas foram mencionadas em um relatório de inspeção provisória do acidente aéreo divulgado no mês passado.

Os promotores também afirmaram que planejam pedir às autoridades russas que entreguem dados de radar supostamente em seu poder que mostram um caça ucraniano nas proximidades do avião, disse a revista alemã Der Spiegel na segunda-feira.

Um relatório provisório do Conselho de Segurança Holandês, que investiga acidentes aéreos, listou vários aviões de passageiros nas proximidades do voo MH17, mas nenhum avião militar que teria sido capaz de derrubá-lo.

Leia tudo sobre: MUNDOHOLANDAMH17INVESTIGACAO

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas