Amigo de suspeito de ataque a Maratona de Boston é condenado por mentir

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Robel Phillipos foi acusado de ter mentido sobre uma visita ao dormitório do suspeito Tsarnaev três dias após o ataque

Reuters

Um júri dos Estados Unidos condenou nesta terça-feira o amigo de faculdade de um dos suspeitos de realizar um ataque a bomba contra a Maratona de Boston, em 2013, por ter mentido às autoridades em uma investigação sobre terrorismo.

Maratona de Boston tem 2º maior número de competidores um ano após ataque

Boston marca um ano de atentado à maratona

Robel Phillipos, de 21 anos, foi acusado de ter mentido sobre uma visita ao dormitório do suspeito Dzhokhar Tsarnaev três dias após o ataque de 2013 que matou três pessoas e deixou mais de 260 feridos.

Phillipos e dois amigos retiraram do quarto do suspeito uma mochila que tinha cápsulas vazias de fogos de artifício.

Phillipos, de Cambridge, no Estado de Massachusetts, foi julgado em Boston por duas acusações criminais de ter mentido para os investigadores, uma por ter dito que não se lembrava da visita e outra por negá-la. Ele mais tarde assinou uma confissão por escrito admitindo que esteve no quarto de Tsarnaev, após um interrogatório do FBI.

Memorial improvisado com par de tênis de corrida é visto em campus de Universidade de Boston após identificação de estudante como um dos mortos em ataque de segunda (17/04). Foto: APInvestigador do FBI desce em guindaste com uma bolsa recolhida do alto de um prédio próximo ao local onde houve explosões na Maratona de Boston (17/04). Foto: APInvestigadores vasculham área perto de linha de chegada de Maratona de Boston dois dias depois de explosão de bombas (17/04). Foto: APFotos da cena das explosões da Maratona de Boston tirada por investigadores mostram os restos do explosivo (17/04). Foto: ReutersLizzie Lee, 56, que participava de sua primeira Maratona de Boston, segura vela e flor durante vigília por vítimas de ataque (16/04). Foto: APHomem coloca bilhete com flores em barricada de polícia perto da linha de chegada da Maratona de Boston (16/04). Foto: APInvestigadores numeram vidros destruídos e destroços em local da explosão de primeira bomba na Maratona de Boston (16/04). Foto: APVizinhos sentam do lado de fora de casa de pais de Krystle Campbell, que foi morta no ataque em Boston (16/04). Foto: APCorredor de 78 anos é protegido por polícia após cair durante segunda explosão perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APHomem caminha com as calças rasgadas após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APSegunda bomba explode perto de linha de chegada da Maratona de Boston (15/04). Foto: APCom roupas de proteção, investigadores vasculham área afetada por explosão perto de linha de chegada na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPessoas correm após explosões na Maratona de Boston (15/04). Foto: APPolicial leva garoto ferido de cadeira de rodas após explosões durante a maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APCriança chora após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: ReutersCorredoras reagem após segunda explosão atingir maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APAtleta cai e recebe ajuda após segunda explosão em Boston (15/04). Foto: APNo Salão Oval, presidente dos EUA, Barack Obama, fala ao telefone com diretor do FBI, Robert Mueller, sobre as explosões em Boston (15/04). Foto: Casa Branca/Governo dos EUA/Mulher conforta outra aparentemente ferida após explosões na maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: ReutersMédicos auxiliam feridos após explosões atingirem maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos auxiliam feridos na linha de chegada da maratona de Boston após explosões (15/04). Foto: APReprodução da TV WBZ mostra fumaça decorrente das explosões que atingiram maratona de Boston, nos EUA (15/04). Foto: APMédicos ajudam feridos após explosões perto da linha de chegada da maratona de Boston, EUA (15/04). Foto: AP

Ele pode ser condenado a até 16 anos de prisão quando for sentenciado, em 29 de janeiro. Até lá, Phillipos permanecerá em prisão domiciliar.

Os advogados de Phillipos alegaram que seu cliente estava sob efeito de maconha no dia da visita ao dormitório de Tsarnaev e que não tinha lembrança de suas ações em 18 de abril de 2013, e por isso não estava mentindo.

Durante sete dias de depoimentos, vários agentes do FBI disseram que Phillipos fez declarações contraditórias sobre a visita ao quarto de Tsarnaev na Universidade de Massachusetts, antes de assinar um comunicado afirmando que esteve no local.

Entre os dois amigos que o acompanharam, ambos estudantes de intercâmbio cazaques, Azamat Tazhayakov foi condenado em julho e Dias Kadyrbayev confessou em agosto ter pego a mochila no quarto durante uma busca pelo suspeito.

Tsarnaev, de 21 anos, aguarda julgamento para acusações que podem resultar em pena de morte. Seu irmão, que promotores afirmam que o ajudou a realizar o ataque, morreu após uma troca de tiros com a polícia na noite de 18 de abril de 2013.

Leia tudo sobre: maratona de bostonataque em bostonEUABoston

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas