Mulheres raptadas pelo Boko Haram foram usadas em combates, dizem ativistas

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Grupo foi forçado a atrair homens para emboscadas e a casar com seus captores, informou relatório da Human Rights Watch

Reuters

Mulheres e meninas sequestradas pelo grupo militante islâmico Boko Haram na Nigéria foram usadas em operações de combate, forçadas a atrair homens para emboscadas e a se casarem com seus captores, informou um relatório divulgado nesta segunda-feira (27).

Dia 18: Nigéria espera reaver meninas sequestradas até a próxima terça

AP
Adolescente é uma das 200 estudantes que desapareceram de uma escola em Chibok, no nordeste do país (arquivo)

Dia 17: Nigéria faz acordo com Boko Haram; plano prevê libertação de raptadas

A entidade de direitos humanos Human Rights Watch (HRW) entrevistou ex-reféns dos militantes, que descreveram os abusos físicos e psicológicos que sofreram, inclusive espancamentos e estupros.

O relatório cobre ataques repetidos e sequestros de supostos insurgentes do Boko Haram, apesar de o governo ter afirmado que acertou um cessar-fogo com os rebeldes para garantir a libertação de mais de 200 alunas raptadas em abril.

A HRW conversou com 46 vítimas e testemunhas dos sequestros do Boko Haram, incluindo algumas alunas que escaparam do rapto na escola secundária de Chibok, no nordeste nigeriano.

Setembro: Encontrada uma das 200 meninas sequestradas na Nigéria

Uma das vítimas contou ao HRW como foi forçada a se deitar no mato e segurar balas enquanto os militantes combatiam.

"Quando as forças de segurança chegaram ao local e começaram a atirar contra nós, fiquei assustada e caí. Os insurgentes me arrastaram pelo chão enquanto fugiam de volta ao seu campo", disse a jovem de 19 anos.

Em outra operação, ela recebeu ordens de abordar um grupo de cinco homens e atrai-los para onde os militantes do Boko Haram se escondiam. Eles emboscaram os homens, amarraram-nos e cortaram a garganta de quatro deles antes de dar a faca à garota e mandar que ela matasse o quinto homem, diz o relatório.

"Eu tremia de pavor e não consegui. A esposa do líder do campo pegou a faca e o matou", declarou ela à entidade.

Violência: Boko Haram ataca cidade nigeriana perto da fronteira com Camarões

Martha Mark, mãe de Monica Mark, uma das sequestradas em escola nigeriana, chora ao mostrar foto da jovem na casa da família em Chibok, Nigéria (19/05). Foto: APApós possível divisão do grupo de reféns analistas dizem que resgates pode levar anos (8/05). Foto: AFPEstudantes protestam do lado de fora do consulado nigeriano em Nova York, EUA, pelas meninas sequestradas pelo Boko Haram na Nigéria (28/05). Foto: ReutersAluna de uma escola sul-africana, com tradicionais manchas de tinta no rosto, participa de protesto silencioso pelas jovens raptadas na Nigéria (14/05). Foto: APMulher grita durante manifestação incitando o Governo a agilizar o resgate das meninas sequestradas, em Abuja, Nigéria (11/05). Foto: APAtivistas participam da campanha 'Tragam nossas meninas de volta durante vigília realizada no Dia das Mães em Los Angeles, EUA (11/05). Foto: ReutersQuatro estudantes que conseguiram escapar do sequestro feito pelo grupo Boko Haram em escola de Chibok, Nigeria (2/05). Foto: APAbubakar Shekau, suposto líder do grupo extremista Boko Haram, fala sobre o sequestro de estudantes no nordeste na Nigéria (5/05). Foto: APUma mãe não identificada chora durante manifestação com outros pais cujas filhas foram sequestradas em escola de Chibok, Nigéria (29/04). Foto: APManifestante segura cartaz contra os raptos de garotas feito pelo grupo islâmico Boko Haram (5/05). Foto: APManifestantes protestam contra a demora do governo da Nigéria em encontrar as mais de 200 estudantes raptadas de escola em Chibok. Foto: APMulher participa de um protesto exigindo a libertação de meninas da escola secundária que foram raptadas da aldeia de Chibok, Nigéria. Foto: ReutersMulher segura cartaz durante manifestação sobre o sequestro das meninas de uma escola em Chibok, Nigéria (5/05). Foto: Reuters

Os rebeldes do Boko Haram sequestraram mulheres e garotas em muitos de seus ataques. As vítimas com as quais a HRW conversou ficaram detidas entre dois dias e três meses depois de serem levadas de seus vilarejos enquanto trabalhavam nas fazendas, buscavam água ou iam para a escola.

Muitas delas relataram como foram atacadas, estupradas e obrigadas a se casar com os militantes depois de serem convertidas à força ao islamismo.

O Boko Haram, cujo nome pode ser traduzido aproximadamente como “a educação ocidental é um pecado”, já matou milhares em sua batalha para fundar um Estado islâmico na Nigéria, país de grande variedade religiosa.

Leia tudo sobre: sequestros na nigeriaboko haramnigeriahrw

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas