Venezuela reforça medidas para combater contrabando de alimentos e medicamentos

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Entre elas está a proibição da venda informal de produtos e o estabelecimento de preços máximos em território venezuelano

Agência Brasil

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta sexta-feira (24) novas medidas para reforçar o combate ao contrabando de alimentos e medicamentos no país.

Pesquisa: Aprovação de Maduro na Venezuela cai e chega a 30%

AP
Mulher coloca adesivo na camisa de um homem com a mensagem "Eu assinei pela mudança. Venezuela constituinte, Mudança e Reconciliação" em Caracas, Venezuela (27/09)

Dia 16: Venezuela comemora ingresso no Conselho de Segurança da ONU

Entre elas está a proibição da venda informal de produtos e o estabelecimento de preços máximos.

"Quero anunciar a emissão de um decreto imediato para proibir a venda de produtos alimentares de primeira necessidade e de medicamentos na economia de rua", disse, durante um ato transmitido pelo canal de televisão estatal.

O presidente venezuelano explicou que o decreto contém a "metodologia para acabar com a venda ilegal de alimentos", ressaltando que o governo tem apoiado, respeitado e dignificado os cidadãos que vivem da economia informal, mas que terá de acabar a venda de produtos de primeira necessidade nas ruas.

Crime: Polícia da Venezuela prende dois suspeitos pelo assassinato de deputado

"O povo está indignado. Eu partilho essa indignação de serem retirados os alimentos que existem e depois estes são encontrados nas ruas, vendidos a preços muito mais altos", frisou.

Por outro lado, Maduro anunciou que a partir de 1º de novembro a Venezuela aplicará a marcação obrigatória do Preço de Venda Justo nos produtos, cujos valores vão ser revistos periodicamente para evitar o congelamento dos preços.

Ele anunciou ainda que vai aprovar, por Lei Habilitante (que permite ao presidente legislar por decreto sem intervenção do parlamento), uma reforma da Lei de Preços Justos, para incluir o contrabando de produtos, delito que será punido com 10 a 14 anos de prisão e confisco integral dos bens em posse dos transgressores.

O reforço das medidas para combater o contrabando acontece no momento em que a população venezuelana se queixa de dificuldades para conseguir alguns produtos alimentares de primeira necessidade, de higiene pessoal e também de um número importante de medicamentos.

Leia tudo sobre: venezuelaprotestos na venezuelacontrabandomaduro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas