Aeronave foi interceptada na região da Estônia, no Mar Báltico; Rússia diz que avião não violou espaço aéreo do país vizinho

BBC

Em meio à grande tensão no Leste Europeu, uma aeronave espiã russa foi interceptada pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) na região da Estônia do Mar Báltico, disse nesta quinta-feira (23) a aliança militar ocidental.

Veja fotos do aniversário do presidente da Rússia, Vladimir Putin:

O governo da Estônia convocou na quarta (23) o embaixador russo para dar explicações, após o Exército do país ter informado que a aeronave – uma Ilyushin-20 – entrou em seu espaço aéreo por cerca de um minuto.

A Rússia alega que o avião fazia um voo de treinamento e não violou o espaço aéreo estoniano, mas nos últimos meses Moscou tem sido acusado de diversas violações de fronteira na região.

Leia mais:
Suécia investiga suposto submarino russo em sua costa

Dias antes, no domingo (19), a Suécia divulgou uma foto do que poderia ser um mini-submarino sob controle russo navegando perto da costa de Estocolmo, mas o país suspendeu as buscas após não ter encontrado provas.

Ucrânia
O conflito no Leste da Ucrânia – no qual o Ocidente acusa a Rússia de armar rebeldes separatistas – desencadeou uma onda de sanções ocidentais contra Moscou e aumentou as tensões na região.

No mês passado, a Estônia já havia acusado a Rússia por outro crime – o sequestro de um guarda estoniano na fronteira bilateral.

Leia também:
Rússia e Ucrânia fazem acordo por fornecimento de gás 'no inverno', diz Putin
Putin ordena que tropas russas retornem de treinamento próximo à Ucrânia
Ex-líder soviético Mikhail Gorbachev alerta para nova Guerra Fria

A Otan diz que a aeronave Ilyushin-20 decolou no enclave báltico russo de Kaliningrado na terça-feira e foi "primeiro interceptada por jatos F-16 dinamarqueses quando se aproximou da Dinamarca", antes de voar em direção à Suécia.

Interceptada por aviões suecos, a aeronave entrou brevemente no espaço aéreo estoniano e foi acompanhada por F-16 portugueses, alegou a aliança ocidental.

Um porta-voz do Ministério da Defesa russo confirmou à agência Interfax a decolagem da aeronave em Kaliningrado, mas afirmou que ela sobrevoou "águas neutras sobre o Mar Báltico" e cumpriu "estritamente as regulações internacionais sobre o uso de espaço aéreo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.