Morre o editor do Washington Post que supervisionou cobertura do caso Watergate

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ben Bradlee morreu de causas naturais em sua casa, segundo o Post; exposição do caso resultou na renúncia de Richard Nixon

Reuters

O ex-editor executivo do Washington Post Ben Bradlee, supervisor da cobertura feita pelo jornal do escândalo de Watergate - que resultou na renúncia do presidente dos Estados Unidos Richard Nixon - morreu na terça-feira (21) aos 93 anos.

EUA: Quarenta anos depois, caso Watergate ainda gera polêmica

Reuters
O jornalista Ben Bradlee, centro, ladeado pelo ex-presidente americano Bill Clinton, à dir., e do ex-jogador de baseball Ernie Banks, em evento na Casa Branca (2013)


2010: Exposição nos EUA provoca debate sobre legado do Watergate

A morte de Bradlee de causas naturais em sua casa, em Washington, foi divulgada pelo Post, que relatou no mês passado que ele tinha começado a receber tratamento especializado, depois de sofrer do mal de Alzheimer havia vários anos.

Como editor executivo de 1968 até 1991, Bradlee tornou-se uma das figuras mais importantes em Washington, bem como parte da história do jornalismo, ao transformar o Post de um sisudo diário em uma das publicações mais dinâmicos e respeitados nos Estados Unidos.

O trabalho de Bradlee ao orientar os jovens repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein na investigação do arrombamento da sede do Partido Democrata, no complexo residencial e de escritórios de Watergate, os conduziu até Casa Branca, sob a presidência de Nixon, e tem sido celebrado nas escolas de jornalismo e em Hollywood.

O Post ganhou um Prêmio Pulitzer pela cobertura do escândalo Watergate, que levou Nixon a renunciar, sob a ameaça de impeachment em agosto de 1974.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas