Decisão surge após governo turco ter dito que combatentes curdos iraquianos reforçariam contingente em Kobani, na Síria

Reuters

A Grã-Bretanha informou nesta terça-feira (21) ter autorizado o envio de drones armados e desarmados para missões de vigilância sobre a Síria "muito em breve", a fim de reunir informações sobre o militantes do Estado Islâmico (EI).

Ontem: EUA realizam 12 ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria e Iraque

Combatentes da Frente Curda participam de treinamento em acampamento militar na zona rural do norte de Aleppo, Síria (20/10)
Reuters
Combatentes da Frente Curda participam de treinamento em acampamento militar na zona rural do norte de Aleppo, Síria (20/10)


Igreja: Papa pede atuação da comunidade internacional contra Estado Islâmico

A decisão da Grã-Bretanha surge depois de o governo turco ter dito na segunda-feira que iria permitir que combatentes curdos iraquianos reforçassem o contingente dos curdos na cidade síria de Kobani, na fronteira da Turquia.

O ministro da Defesa da Grã-Bretanha, Michael Fallon, disse que os drones Reapers e Rivet Joint voariam sobre a Síria como parte de "esforços para proteger nossa segurança nacional contra a ameaça terrorista que emana de lá".

Mas, em uma declaração escrita ao Parlamento, ele sublinhou que os Reapers não seriam autorizados a usar suas armas na Síria, algo que iria requerer "permissão adicional", segundo afirmou, ou seja, uma votação no Parlamento.

Internet: Adolescente de 17 anos é crucificado pelo Estado Islâmico na Síria

Ajuda: EUA lançam armas pelo ar para curdos combaterem o Estado Islâmico

Fallon anunciou na semana passada que a Inglaterra estava enviando drones armados Reapers para realizar ataques aéreos contra Estado Islâmico no Iraque. Até agora, a Royal Air Force realizou cerca de 38 missões de combate no Iraque.

O Parlamento aprovou ataques aéreos no Iraque no mês passado, depois de um pedido do governo iraquiano. Mas a Grã-Bretanha não está realizando bombardeios na Síria. Fallon já havia dito que ataques no território sírio exigiriam aprovação parlamentar fresco.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.