Jovem não teve a identidade revelada; placa em seu pescoço dizia que ele havia sido morto por trair os extremistas sunitas

Fotos da praça central de Raqqa mostra corpo de um jovem de 17 anos crucificado pelo EI
Reprodução/Youtube
Fotos da praça central de Raqqa mostra corpo de um jovem de 17 anos crucificado pelo EI

Militantes do Estado Islâmico publicaram foto de um adolescente sendo crucificado e assassinado sob acusação de ter tirado foto da base do grupo sunita na Síria. As informações são do Daily Mail.

Hoje: EUA lançam armas pelo ar para curdos combaterem o Estado Islâmico

Imagens supostamente tiradas na praça central de Raqqa, Síria, mostram corpo ferido e manchado de sangue de um jovem de 17 anos não identificado. Ele estava amarrado a uma cruz.

Um cartaz escrito à mão pendurado no pescoço do rapaz o acusava de "apostasia" - abandono da religião - e dizia que ele foi crucificado por três dias depois de ser pego recebendo 500 liras turcas por cada foto que tirou de uma base militar do Estado islâmico.

Sábado: Parlamento completa governo de unidade no Iraque

A imagem do adolescente assassinado apareceu na conta de um grupo de ativistas em uma mídia social conhecida como "Raqqa está sendo abatida Silenciosamente". O grupo é composto por um punhado de indivíduos incrivelmente corajosos que se opõem ao EI e - apesar da cidade ter sido tomada pelo grupo e ser o centro de sua liderança – tentam documentar a violência do grupo em sua cidade natal.

A imagem tem circulado no Twitter tanto por grupos anti-EI quanto por simpatizantes, que definem friamente o crime como um exemplo positivo de interpretação do Islã. Charlie Winter, do programa anti-extremismo Fundação Quilliam, disse que a crucificação é um castigo dispensado pelo EI para crimes específicos.

Sexta: Estado Islâmico treina combatentes para voar em jatos capturados na Síria

"A crucificação foi usada muitas vezes - e é uma punição para os que cometeram traição", disse ele ao jornal The Independent.

A crucificação utilizada pelo Estado Islâmico como punição decorre de sua interpretação fundamentalista do versículo 33 do quinto livro do Corão.

O versículo diz: "Na verdade, a pena para aqueles que lutam contra Alá e Seu Mensageiro e está na Terra [para causar] corrupção devem ser a morte por crucificação ou ter suas mãos e pés cortados ou exilados da terra".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.