Rota popular de escalada no Nepal vira trilha de corpos após avalanche

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Incidente deixou ao menos 28 mortos; vítimas vivas caminham na trilha pontuada por corpos enquanto são retiradas da região

BBC

O Circuito do Anapurna é uma da mais movimentadas rotas de escalada na Cordilheira do Himalaia no Nepal. Mas, desde que uma avalanche atingiu o local na quarta-feira (15), o panorama mudou completamente.

Ontem: Número de desaparecidos após nevasca no Nepal pode chegar a 85

Reuters
As equipes de buscas já retiraram 220 pessoas da área


Quarta: Tempestades de neve deixam ao menos 20 pessoas mortas no Nepal 

O incidente deixou ao menos 28 mortos, entre eles escaladores nepaleses, israelenses, canadenses, indianos, eslovacos e poloneses. As vítimas vivas são resgatadas e caminham na trilha pontuada por corpos, enquanto helicópteros sobrevoam a área em busca de mais sobreviventes.

Duzentas e vinte pessoas já foram retiradas do local pelas equipes de resgate até a noite desta quinta-feira (horário local, manhã de quinta no Brasil), quando os trabalhos foram suspensos para serem retomados nesta sexta-feira (17). O número de mortos deve aumentar, já que dezenas ainda estão desaparecidos.

Vídeo: Sobrevivente relembra momento de avalanche no Nepal

Um sobrevivente falou à BBC sobre como ficou horrorizado ao ver uma série de corpos na caminhada de volta. Ele conta que viu pessoas caindo em fendas profundas, sem serem capazes de sair delas.

Outra sobrevivente, Linor Kajan, descreveu seu medo ao ser pega pela avalanche.

"Achava que iria morrer... Estava presa na neve", disse ela, que foi resgatada por um guia nepalês.

Clima incomum

A avalanche ocorreu quando fortes chuvas e nevascas chegaram ao Nepal, fenômenos climáticos pouco comuns nesta época do ano no país e que aparentemente estão ligados à chegada recente de um ciclone, o Hudhud, à Índia.

O mau tempo atingiu em cheio uma área usada por escaladores para descansar, localizada 4,5 mil metros de altitude, próximo do ponto mais elevado do circuito, a passagem Thorung La.

"Este é um dos piores acidentes de que tenho memória. É inevitável que o total de mortos vá subir", afirmou Gopal Babu Shrestha, tesoureiro da Associação de Agências de Trilhas do Nepal, que está auxiliando nas operações de resgate.

Parentes e amigos dos desaparecidos na montanha criaram uma página no Facebook para tentar centralizar as informações.

Normalmente, o outono nepalês tem temperatura amena, e neve é extremamente rara, especialmente no Circuito do Anapurna.

Por isso, milhares de turistas tomam o rumo da região anualmente, muito deles sem experiência em montanhismo e em escaladas em condições adversas.

Ciclone

O ciclone Hudhud atingiu a Índia no último domingo, onde deixou 370 mil desabrigados. Ele foi considerado um "ciclone extremo", com ventos de 200 km/h.

Esta é uma temporada de ciclones na costa leste indiana e de Bangladesh. É comum que este tipo de fenômeno climático ocorra nesta parte do mundo entre abril a novembro.

Autoridades nepalesas disseram que mais pessoas poderiam ter sido salvas se tivesse sido emitido um alerta sobre a nevasca, segundo o correspondente da BBC em Kathmandu, Navin Singh Khadka.

Este foi o segundo desastre natural a atingir o Nepal em 2014. Em abril, uma avalanche no Monte Everest, a montanha mais alta do mundo, matou 16 guias.

Além do resgate, as autoridades nepalesas precisam também cuidar do estrago causado na reputação do país. O montanhismo é crucial para a economia nepalesa - em 2013, por exemplo, pelo menos 10% dos 800 mil turistas que visitaram o país participaram de atividades montanhistas.

O governo nepalês vende licenças para as escaladas, sem falar que a economia local também gira em torno do interesse dos estrangeiros pelo relevo nepalês.

Leia tudo sobre: avalanche no nepalnepalkathmandumonte everestindia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas