Seria erro criminalizar combatentes britânicos do Estado Islâmico, diz professor

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Kamaldeep Bhui, da Qeen Mary University, defende que jovens estão doentes e, portanto, não deveriam responder por crimes

Adolescentes e jovens adultos que saem do Reino Unido para se juntar ao Estado Islâmico estão apenas depressivos e solitários e deveriam ser aceitos de volta em território britânico sem ser criminalizados por seus atos, afirmou um professor ao Telegraph.

Ontem: Estado Islâmico mata dois jornalistas no Iraque

Reprodução/Twitter
Mohammed el-Araj, do oeste de Londres, foi morto em confronto junto ao EI na Síria


Iraque: Milícias xiitas massacram sunitas em ações de vingança, diz ONG

Kamaldeep Bhui, professor de psiquiatria cultural e epidemologia na Queen Mary University de Londres, disse que a radicalização deveria ser tratada como um problema de saúde, assim como o consumo de drogas e o abuso de álcool.

Segundo ele, os jovens à caminho da radicalização são geralmente bem instruídos e de famílias ricas, mas se sentem entediados com suas vidas e socialmente isolados. E as garotas são tão propensas a serem radicalizadas quanto os garotos.

Crimes: Estado Islâmico justifica escravização de mulheres e crianças Yazidi

Bhui diz que pode haver até 500 militantes britânicos na Síria e dezenas de mulheres que foram para a guerra do grupo sunita se casar com jihadistas. Um desses militantes é conhecido como "John Jihadi" e foi filmado decapitando os jornalistas americanos James Foley e Steven Sotloff.

Mas o professor disse que vários adolescentes ficaram rapidamente desiludidos depois de serem iniciados na guerra. Ele ouviu mais de 600 pessoas em comunidades muçulmanas de Bradford e Londres para aprender o que impulsiona os britânicos a arriscar suas vidas em um país estrangeiro.

Turquia: Violência se alastra após suposto ataque turco contra militantes curdos

"Algo neles sugere que eles estão descontentes", disse. "O grupo que simpatizou com o EI era jovem, tinham acesso a educação em tempo integral e geralmente formado por ricos. Eles eram mais propensos à depressão e isolamento social", acrescentou.

"Há até um pouco de ingenuidade juvenil. Eles têm fantasias românticas e nunca experimentaram a sharia ou um califado antes e, ao chegar lá [na Síria] eles veem que as coisas não são como eles imaginavam".

O professor descobriu que os simpatizantes das ideologias jihadistas ou terroristas eram suscetíveis a serem bem-educados e de famílias que ganham mais de 75 mil euros, aproximadamente 234 mil reais. 

Arrependidas: Grávidas, jovens austríacas pedem socorro para deixarem o EI

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Segunda: Turquia nega ter feito acordo com os EUA sobre uso de suas bases aéreas

"Nós percebemos também que as mulheres eram ligeiramente mais propensas a terem alguma simpatia pela radicalização. Isso é uma epidemia crescente entre as garotas", acrescentou ele.

Para o especialista, é fundamental que os pais muçulmanos mantenham um olhar atento sobre seus filhos para perceberem sinais de depressão ou solidão. Ele advertiu que os jovens que se envolvem em universos paralelos como os jogos de vídeo, quadrinhos ou têm identidades alternativas estão sob risco maior.

O premiê David Cameron disse que os britânicos que viajam para a Síria ou o Iraque para se juntar ao Estado Islâmico serão tratados como "um inimigo do Reino Unido" e poderiam ter suas cidadanias destituídas.

Sábado: EUA fazem novos ataques aéreos contra Estado Islâmico na Síria e Iraque

No mês passado, o Telegraph relatou como centenas de recrutas da Al-Qaeda, incluindo britânicos, estão sendo mantidos em casas seguras no sul da Turquia antes de ser contrabandeados pela fronteira com a Síria para lutar na jihad. Dois britânicos morreram em conflitos na região, incluindo Mohammed "Mo" El-Araj, 23, de Notting Hill, oeste de Londres.

Cameron tem pressionado o parlamento por aumento no rigor legal em monitorar suspeitos extremistas e disse que os passaportes poderiam ser removidos para os que tentarem viajar para o exterior rumo a Síria.

EUA: Turquia vai oferecer treinamento e equipamento para oposição síria

Mas Bhui acrescentou: "Eu acho que seria um desastre você criminalizá-los e renega-los como cidadãos britânicos. Algumas dessas crianças são jovens e inexperientes. Eles não queriam ser radicalizados."

Curiosamente, o professor revelou que os migrantes não são suscetíveis a se tornarem radicais porque são mais pobres, mais ocupados em meio a luta para ganhar a vida e lembram dos problemas nos países não-ocidentais.

"Aqueles que têm uma vida dura como os imigrantes estão muito ocupados para fantasiarem sobre ataques terroristas", diz ele.

Balanço: Estado Islâmico já controla 40% de cidade curda na Síria, diz observatório

E ele disse que os imãs locais podem ser cruciais para manter os jovens no caminho certo.

"A mesquita é um fator de proteção", acrescentou: "Esses jovens estão desconectados de suas famílias, desconectados de suas origens e quando eles entram em contato com terroristas, acham que estão fazendo a coisa certa ao se conectarem de forma mais ortodoxa ao Islã", afirmou.

"Sugiro que seja importante ter acesso a formas de ensino ortodoxas", avaliou.

Leia tudo sobre: eiilsiriareino unidogra bretanhalondres

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas