Oposição pede a Maduro reabertura do diálogo político na Venezuela

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

O objetivo seria estabelecer agenda de trabalho que aborde a crise e problemas prioritários como o alto custo de vida no país

Agência Brasil

O dirigente da oposição na Venezuela, Henri Falcón, pediu nesta terça-feira (14) ao presidente do país, Nicolás Maduro, a reabertura do diálogo político por meio da convocação de uma reunião extraordinária do Conselho Federal do Governo.

Dia 9: ONU recomenda a libertação do opositor Leopoldo López

Reuters
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante a Cúpula do Clima na Sede das Nações Unidas em Nova York (23/09)


Dia 8: Confrontos entre civis e a polícia deixam cinco mortos na Venezuela

"O conselho é uma instância constitucional de diálogo, concertação, de trabalho, onde os governadores e prefeitos podem explorar, juntamente com o Executivo nacional, soluções concretas", disse aos jornalistas.

Para Henri Falcón, ex militante do Partido Socialista Unido da Venezuela de Hugo Chavez e do agora presidente Maduro, a convocação de um Conselho Federal de Governo "seria o primeiro passo positivo para o restabelecimento do diálogo político no país".

O objetivo é "estabelecer uma agenda de trabalho que aborde a crise, os problemas prioritários", como "o alto custo de vida, a insegurança, as deficiências nos serviços, a falta de medicamentos", problemas que "devem ser abordados com urgência" para buscar soluções concretas, sem retórica.

Setembro: Oposição na Venezuela pede retomada do diálogo com governo à Unasul

Polícia nacional da Venezuela dispara gás lacrimogêneo enquanto manifestante antigoverno se ajoelha segurando pedra durante confrontos em Caracas (6/4). Foto: ReutersManifestantes mostram cartazes com fotos de ativistas mortos durante protestos antigoverno na Plaza Altamira em Caracas, Venezuela (20/3). Foto: APPartidários do líder da oposição Leopoldo López se reúnem para protesto que pede a libertação do político após um mês de sua prisão, na Venezuela (18/03). Foto: APGuardas das forças bolivarianas patrulham a Plaza Altamira após tomarem o controle do local em Caracas, Venezuela (17/3). Foto: APEstudante da Universidade Central da Venezuela grita contra governo de Nicolás Maduro durante protesto em Caracas (12/3). Foto: APManifestante antigoverno corre em meio ao gás lacrimogêneo lançado pela polícia durante protesto em Caracas, Venezuela (12/3). Foto: ReutersManifestante joga lata de gás lacrimogêneo em direção à polícia durante protesto antigoverno em Caracas, Venezuela (11/3). Foto: APGuardas prendem manifestante durante conflitos entre ativistas e motociclistas em Los Ruices, Venezuela (10/3). Foto: APPolícia impede passagem de manifestantes que protestavam contra escassez de alimentos (8/3). Foto: APManifestantes se preparam para jogar coquetéis molotov durante confrontos em Caracas, Venezuela (6/3). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana se protegem de fogos de artifício lançados contra eles por manifestantes em Caracas, Venezuela (março/2014). Foto: APManifestantes seguram cartazes com imagens de venezuelanos que foram mortos nas duas últimas semanas durante marcha em Caracas (28/2). Foto: APManifestantes rolam cano de água na tentativa de bloquear uma rodovia importante em Caracas, Venezuela (27/02). Foto: APOficiais da Guarda Nacional Bolivariana avançam em direção a protestos antigoverno em Valencia, Venezuela (26/2). Foto: APManifestante segura placa em frente de cordão da Guarda Nacional Bolivariana durante protesto perto da Embaixada de Cuba em Caracas, Venezuela (25/2). Foto: APObjetos colocados por manifestantes da oposição bloqueiam estrada no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APOpositor caminha perto de acusação feita a presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em rua no bairro de Altamira, Caracas (21/2). Foto: ReutersManifestante envolto com a bandeira da Venezuela coloca mais objetos em barricada em chamas no bairro de Altamira, em Caracas, Venezuela (20/2). Foto: APPartidários do governo venezuelano marcham no centro de Caracas (20/2). Foto: APManifestante levanta os braços em direção à polícia que lança gás lacrimogêneo em bairro de Caracas, Venezuela (19/2). Foto: APMiss Génesis Carmona é levada de moto a hospital. Ela morreu após ter sido atingida por disparo na cabeça em 18/2. Foto: Reprodução/TwitterManifestante usa máscara caseira para se proteger de gás durante protestos em avenida de Caracas, Venezuela (18/02). Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente Nicolás Maduro durante marcha em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APLeopoldo López, líder da oposição da Venezuela, é preso vestido de branco e segurando flor em Caracas, Venezuela (18/2). Foto: APManifestante cobre a boca com pano durante protesto contra a censura do governo venezuelano em Caracas (17/2). Foto: APManifestante atira pedras na Força Nacional Bolivariana durante protesto na Venezuela (15/2). Foto: APManifestantes fecham a principal via da Venezuela (15/2). Foto: ReutersManifestantes na Venezuela são dipersados com canhões de água e gás lacrimogêneo (15/2). Foto: Carlos Garcia Rawlins/ReutersUniversitária segura cartaz em que se lê 'E quem tem as armas?' enquanto se manifesta contra o presidente Nicolás Maduro em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes choram durante vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APEstudantes comparecem à vigília em Caracas por dois jovens mortos em confrontos violentos na Venezuela (13/2). Foto: APJovem segura livro marcado em espanhol com a frase 'Esta é a minha arma' durante protesto contra repressão de estudantes em Caracas, Venezuela (13/2). Foto: APEstudante segura cartaz em que se lê 'Paz e liberdade' durante manifestação em Caracas, Venezuela (13/2)
. Foto: APEstudantes gritam slogans contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante protesto em Caracas (13/2)
. Foto: AP

Alteração: Presidente da Venezuela reformula governo e muda ministro do Petróleo

"Outro tema para análise no Conselho Federal de Governo seria a implicação da queda dos preços do petróleo no orçamento de 2015", acrescentou.

Em 10 de abril, o governo e a oposição decidiram iniciar um processo de diálogo, tendo como mediadores o Vaticano, Brasil, Equador e a Colômbia, os três últimos em nome da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Um mês depois, no dia 13 de maio, a oposição suspendeu a participação em protesto pela "repressão brutal" das forças de segurança contra as manifestações pacíficas das forças oposicionistas e por considerar que o diálogo não estava dando resultado.

No fim de setembro, a oposição venezuelana pediu à Unasul que retome os esforços para reativar o diálogo entre o governo e a coligação opositora Mesa de Unidade Democrática.

*Com Agência Lusa

Leia tudo sobre: protestos na venezuelavenezuelaunasulequadorcolombiabrasilboliviamadurofalcon

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas