O objetivo seria estabelecer agenda de trabalho que aborde a crise e problemas prioritários como o alto custo de vida no país

Agência Brasil

O dirigente da oposição na Venezuela, Henri Falcón, pediu nesta terça-feira (14) ao presidente do país, Nicolás Maduro, a reabertura do diálogo político por meio da convocação de uma reunião extraordinária do Conselho Federal do Governo.

Dia 9: ONU recomenda a libertação do opositor Leopoldo López

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante a Cúpula do Clima na Sede das Nações Unidas em Nova York (23/09)
Reuters
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, fala durante a Cúpula do Clima na Sede das Nações Unidas em Nova York (23/09)


Dia 8: Confrontos entre civis e a polícia deixam cinco mortos na Venezuela

"O conselho é uma instância constitucional de diálogo, concertação, de trabalho, onde os governadores e prefeitos podem explorar, juntamente com o Executivo nacional, soluções concretas", disse aos jornalistas.

Para Henri Falcón, ex militante do Partido Socialista Unido da Venezuela de Hugo Chavez e do agora presidente Maduro, a convocação de um Conselho Federal de Governo "seria o primeiro passo positivo para o restabelecimento do diálogo político no país".

O objetivo é "estabelecer uma agenda de trabalho que aborde a crise, os problemas prioritários", como "o alto custo de vida, a insegurança, as deficiências nos serviços, a falta de medicamentos", problemas que "devem ser abordados com urgência" para buscar soluções concretas, sem retórica.

Setembro: Oposição na Venezuela pede retomada do diálogo com governo à Unasul

Alteração: Presidente da Venezuela reformula governo e muda ministro do Petróleo

"Outro tema para análise no Conselho Federal de Governo seria a implicação da queda dos preços do petróleo no orçamento de 2015", acrescentou.

Em 10 de abril, o governo e a oposição decidiram iniciar um processo de diálogo, tendo como mediadores o Vaticano, Brasil, Equador e a Colômbia, os três últimos em nome da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Um mês depois, no dia 13 de maio, a oposição suspendeu a participação em protesto pela "repressão brutal" das forças de segurança contra as manifestações pacíficas das forças oposicionistas e por considerar que o diálogo não estava dando resultado.

No fim de setembro, a oposição venezuelana pediu à Unasul que retome os esforços para reativar o diálogo entre o governo e a coligação opositora Mesa de Unidade Democrática.

*Com Agência Lusa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.