Evo Morales descarta quarto mandato na Bolívia e diz que quer visitar Lula

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista à BBC, presidente afirma que não pretende mudar Constituição para ter novo mandato presidencial

BBC

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse em entrevista à BBC que não pensa em se candidatar novamente uma reeleição, depois de ter sido reconduzido a um terceiro mandato nas eleições presidenciais do país, realizadas no domingo (12). Líder latino-americano há mais tempo no poder – desde 2006 –, ele tem sido acusado de tentar se perpetuar no cargo até o limite do possível.

AP
Morales saúda simpatizantes após confirmar vitória para 3º mandato como presidente da Bolívia

"Escutei (das pessoas) 'Evo para sempre, Evo 2025'. Entendo esse sentimento, porque fizemos em nove anos o que não fizeram em 180 anos diferentes governos neoliberais e ditaduras", declarou ele. "Não está na agenda a reeleição nem reformar a Constituição para estar (no poder) até 2025."

O líder boliviano reconheceu que se preocupa com o fato de a sua liderança ter aparentemente se tornado mais importante que o seu partido, o MAS (Movimento ao Socialismo).

"Um dirigente sindical me disse na campanha – e é a primeira vez que eu comento isso – 'Evo, você é muito mau'. 'Por quê?' 'Porque eliminou o MAS. Aqui (na Bolívia) não existem mais masistas, existem evistas'. Isso me preocupou. Claro, alguém tem que liderar e, no momento, sinto que lidero com o vice-presidente."

Leia mais:
Evo Morales vence eleições e garante terceiro mandato na Bolívia

"Não sei se é a mentalidade latino-americana, que necessita de uma pessoa, mas não gosto disso. Não gosto que todo (o poder) esteja sobre uma pessoa", completou.

Lula
Ainda que não tenham sido concluídos os resultados oficiais definitivos da eleição de domingo, pesquisas de boca de urna apontam 60% dos votos a Morales, que chegou à política pela via sindical, assim como ocorreu com o ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva.

A Organização dos Estados Americanos (OEA) criticou a excessiva lentidão do processo de contagem de votos, que as autoridades eleitorais atribuíram a tentativas de hackear o sistema.

Morales disse que, agora que foi eleito, pretende visitar políticos em países vizinhos, entre eles Lula e o presidente uruguaio, José Mujica, que se prepara para deixar o poder após as eleições do final do mês no Uruguai.

Leia também:
Por que as eleições na Bolívia interessam ao Brasil?
Mulheres se mobilizam, e machismo vira tema central das eleições na Bolívia

Em entrevistas anteriores, o líder boliviano havia dito que a relação com o Brasil era “distante”, mas “de confiança”, apesar de a presidente Dilma Rousseff não ter visitado a Bolívia durante seu atual mandato.

Nacionalizações
Durante a gestão Morales, a Bolívia vivenciou um forte crescimento econômico, no qual o lucro obtido com a venda de matérias-primas foi utilizado para reduzir os níveis de pobreza em cerca de 20%.

Além disso, a Bolívia se tornou o país com as maiores projeções de crescimento para este ano – mais de 5% –, segundo órgãos internacionais.

Mas o que sente um político que se declara socialista quando suas políticas recebem elogios de organismos como o Fundo Monetário Internacional (FMI) por terem mantido o equilíbrio das contas públicas?

"Preocupa-me, acho que estamos fazendo algo errado", ironiza, aos risos. "Mas agora não é como se eles estivessem nos dando receitas (econômicas); nosso ministro da Economia é convocado por organismos internacionais a dar receitas para eles. Agora, não importamos políticas econômicas, as exportamos. Não importamos políticas sociais, mas sim recebemos assessores e delegações que vêm estudar nossas políticas sociais."

Questionado sobre sua política de nacionalização de indústrias estratégicas, Morales descartou novas grandes estatizações de empresas: "O que mais podemos nacionalizar? Há umas duas ou três minas, nada mais, quase tudo está nacionalizado. Sob a política de recuperar os recursos naturais, quase todos estão recuperados."

Machismo
Nesta terça, Morales também assinou um decreto aprovando mais ajuda a mulheres vítimas de violência doméstica – uma das principais demandas de grupos feministas durante a campanha eleitoral.

A Organização Panamericana de Saúde aponta que a Bolívia encabeça a lista de 13 países latino-americanos com mais casos de violência física contra mulheres e fica em segundo lugar no ranking de violência sexual.

E organizações feministas acusaram Morales de machismo, por fazer comentários e piadas ofensivas contra mulheres.

Questionado se é machista, Morales diz que "jamais". "Mas há músicas, canções muito picantes tanto para homens como para mulheres. Uma vez cantei no carnaval músicas cantadas pelo povo, e aí me chamaram de machista", alega.

"Na minha família, a mulher é sagrada. A família Morales é muito respeitada, porque dizem 'a família Morales não bate em mulheres'. Me lembro disso. E a minha mãe dizia: 'Evito, se você quer casar, à mulher não deve faltar nem casa nem dinheiro'. Às vezes faço piadas com as mulheres, com os companheiros, e me criticam. Não entendo como (opositores) não têm uma proposta programática e se dedicam às piadas do presidente. Esses sim são machistas. É uma questão de mentalidade e não apenas de norma. Nosso governo fez muito pelas mulheres."

Leia tudo sobre: evo moralesbolívia

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas