Conversas foram canceladas porque é improvável que sejam construtivas, segundo secretária-chefe do Executivo da região

Reuters

Centenas de manifestantes se reagruparam no centro de Hong Kong nesta sexta-feira para pressionar por seus pedidos por democracia, um dia após o governo ter cancelado o diálogo com os estudantes em meio a um impasse que já dura duas semanas e abalou o centro financeiro do território da China.

Assista: Protestos pró-democracia perdem força em Hong Kong

Dia 7: Ativistas em Hong Kong reduzem bloqueios; diálogo com governo local continua

Manifestantes descansam em áreas ocupadas no distrito central de Hong Kong
AP
Manifestantes descansam em áreas ocupadas no distrito central de Hong Kong


Muitos chegaram com barracas, sugerindo que podem ficar por um bom tempo no local, apesar de um pedido da polícia para que removessem os obstáculos que bloqueavam as principais vias que conduzem ao distrito financeiro central, causando trânsito e caos no transporte com engarrafamentos de vários quilômetros.

A polícia disse que tomaria medidas em um momento apropriado, sem especificar quando.

“Eu instalei minha barraca aqui sob a ponte e irei para a ocupação quando puder”, disse Wong Lai-wa, de 23 anos. “Eu posso voltar para a escola durante o dia, mas farei todo o esforço para voltar."

Os manifestantes estão bem equipados, com estações de abastecimento estocadas com itens como água, biscoitos, macarrão e cereais. Eles também têm chuveiros improvisados e dezenas de tendas.

A decisão do governo de cancelar as conversas com os estudantes na quinta-feira aconteceu após legisladores democráticos terem exigido que as autoridades anticorrupção investigassem um pagamento de 6,4 milhões de dólares feito por uma empresa para o líder da cidade, Leung Chun-ying, enquanto ocupava o cargo.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.