Malala Yousafzai foi baleada pelo Taleban por defender direitos das meninas à educação. Já Kailash luta pelo direito da criança

Reuters

A adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, que foi baleada pelo Taleban em 2012 por defender os direitos das meninas à educação, e o ativista indiano pelos direitos das crianças Kailash Satyarthi ganharam o Prêmio Nobel da Paz de 2014, anunciou nesta sexta-feia a instituição que concede a honraria.

Com o prêmio, Malala, de 17 anos, se torna a mais jovem ganhadora do Nobel.

Satyarthi, de 60 anos, e Malala foram escolhidos por sua luta contra a opressão das crianças e dos jovens, e pelo direito de todas as crianças à educação, informou o Comitê Norueguês do Prêmio Nobel.

O prêmio foi concedido em um momento no qual as hostilidades entre Índia e Paquistão se intensificaram ao longo da disputada fronteira da região de Caxemira, de maioria mulçumana, no pior confronto entre as duas potências nucleares rivais em mais de uma década.

"O Comitê do Nobel considera ser um ponto importante que um hindu e uma mulçumana, uma indiana e uma paquistanesa, unam-se em uma luta comum pela educação e contra o extremismo", disse Thorbjoern Jagland, chefe do comitê do Nobel.

Menina de 14 anos baleada por defender direito à educação recebe novas ameaças

Menina baleada por fazer campanha pela educação será tema de documentário

Malala Yousafzai foi baleada pelo Taliban em 2012 por defender os direitos das meninas à educação
Reuters
Malala Yousafzai foi baleada pelo Taliban em 2012 por defender os direitos das meninas à educação


Malala foi atacada em 2012 em um ônibus escolar no vale do Swat, no noroeste do Paquistão, por homens mascarados que a puniram por ter criado um blogue no qual começou a escrever para o serviço em urdu, da BBC, quando tinha apenas 11 anos para fazer campanha contra os esforços do Taliban de proibir as meninas de estudar.

Sem conseguir retornar ao Paquistão após sua recuperação, Malala mudou-se para a Grã-Bretanha, onde montou o Fundo Malala e passou a apoiar grupos de defesa da educação cuja ação fosse focada no Paquistão, Nigéria, Jordânia, Síria e Quênia.

Satyarthi abandonou a carreira de engenheiro eletricista em 1980 e passou a fazer campanha contra o trabalho infantil e a organizar numerosas formas de protesto pacífico e manifestações contra a exploração de crianças para ganho financeiro.

"É uma honra para todas aquelas crianças que ainda sofrem com a escravidão, trabalho forçado e tráfico", disse Satyarthi ao canal de TV CNN-IBN, após saber que ganhou o prêmio.

O prêmio, no valor de cerca 1,1 milhão de dólares, será entregue em Oslo no dia 10 de dezembro, aniversário de morte do industrial sueco Alfred Nobel, que criou a premiação por meio de seu testamento em 1895.

O mais jovem vencedor do Nobel anterior era o cientista australiano-britânico Lawrence Bragg, que compartilhou o Prêmio de Física com o pai, em 1915, aos 25 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.