Entenda por que a Turquia resiste a intervir contra o Estado Islâmico

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo Ministro de Relações Exteriores, 'não é realista' pensar que a Turquia pode combater sozinha o grupo sunita por terra

BBC

Por que a Turquia resiste a intervir contra o Estado Islâmico? O ministro de Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu, disse nesta quinta-feira (9) que é "não é realista" pensar que a Turquia possa mandar tropas sozinha para uma operação em solo contra o Estado Islâmico, que está tentando tomar Kobane, uma cidade síria de importância estratégica na fronteira com o país.

Hoje: Adesão de garotas ocidentais à causa do Estado Islâmico preocupa a Europa

Getty Images
Cerca de um milhão de refugiados sírios fuguram para a Turquia por causa do avanço do Estado Islâmico


Mais cedo: Estado Islâmico já controla um terço da cidade de Kobani

"Estamos conversando. Quando houver uma decisão comum, a Turquia não vai deixar de fazer sua parte", disse o chanceler turco.

Após um encontro em Ancara com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, Çavusoglu pediu a criação deu ma zona de exclusão aérea na fronteira turca com a Síria.

A ideia da zona de exclusão seria proteger os refugiados que estão fugindo da Síria, juntamente com a criação de uma zona neutra na fronteira. Como o Estado Islâmico não tem força aérea, o principal prejudicado pela criação de tal zona de exclusão seria a Aeronáutica síria.

EUA: Cidade de Kobani não é alvo estratégico, sugere secretário de Estado

As declarações foram feitas após os militantes do Estado Islâmico terem avançado em Kobane, passando a controlar um terço da cidade de maioria curda, de acordo com o que foi relatado à BBC por uma autoridade local. A mesma autoridade disse também que as forças curdas defendendo Kobane precisam urgentemente de mais armas para combater o Estado Islâmico.

Os militantes, porém, teriam sido forçados a recuar nas últimas horas para subúrbios de Kobane por força de novos bombardeios americanos.

Pressão

Até agora, os tanques da Turquia, a segunda maior força militar da Otan, permanecem do outro lado da fronteira próxima a Kobane. E o país tem impedido que combatentes curdos cruzem para a Síria para se juntar à luta contra o Estado Islâmico.

Ontem: Refugiados lutam pela vida ao deixar cidade alvo do Estado Islâmico na Síria

O parlamento turco já autorizou, na semana passada, uma ação militar contra os jihadistas no Iraque e na Síria, mas até agora não agiu. O ministro da Defesa disse também na semana passada que o governo não tinha nenhum plano imediato para enviar tropas para o exterior ou aceitar tropas estrangeiras no país.

Isso, apesar da pressão de países ocidentais para que a Turquia participe da ofensiva contra o grupo e ajude as forças curdas em Kobane. "A Turquia certamente pode ajudar", disse o secretário de Defesa britânico, Michael Fallon. "Este é um problema para a Turquia."

Europa: Família teria deixado a França para se juntar ao Estado Islâmico na Síria

Um alto funcionário americano disse ao jornal The New York Times que "há uma crescente ansiedade sobre a Turquia atrasando a sua ação para evitar um massacre a menos de dois quilômetros de sua fronteira."

"Depois de todas as condenações da catástrofe humanitária na Síria estão inventando razões para não agir para evitar outra catástrofe", disse o funcionário, que falou anonimamente para evitar criticar publicamente um aliado, segundo o jornal.

"Não é assim que age um aliado da Otan enquanto há um inferno no outro lado da fronteira", acrescentou. Mas o que explica a postura turca?

Fronteira crucial

Se conseguir controlar Kobane, o domínio do grupo jihadista alcançará um longo trecho de 900 km na fronteira entre os dois países.

Curdos: Ataques aéreos fizeram o Estado Islâmico recuar em Kobani

AFP
Turcos têm protestado pela falta de ação do país na Síria

Terça: Coalizão ataca área síria; Turquia pede ação terrestre

A divisa tem sido a principal rota de entrada de combatentes estrangeiros que chegam à Síria para lutar contra o regime do presidente sírio Bashar al-Assad, em meio a uma guerra civil que já dura mais de três anos, e para o contrabando de petróleo dos campos controlados pelo EI.

Cerca de 400 pessoas morreram e mais de 160 mil sírios, em sua maioria curdos, fugiram da cidade nas últimas três semanas, quando o EI lançou uma ofensiva para tomá-la. Na terça-feira, pelo menos 12 pessoas foram na Turquia mortas em protestos curdos pela falta de apoio militar do governo.

Violência: Padre e outros 20 cristãos são sequestrados na Síria

O presidente, Recep Tayyip Erdogan, disse na terça-feira que só com bombardeios aéreos não seria possível derrotar os cerca de 30 mil combatentes do Estado Islâmico que controlam partes do território do Iraque e da Síria, e que era necessária uma operação em terra.

"Alertamos o Ocidente. Queremos três coisas: uma zona de exclusão aérea, uma zona segura paralela a essa e o treinamento de rebeldes sírios moderados", disse ele.

Ambivalência turca

O conflito perto de sua fronteira em Kobane ilustra a ambivalência do governo turco.

"A inação de Erdogan pode ser explicada pelos dilemas únicos que o EI representa para a Turquia. Cada resposta política destinada a resolver esses dilemas cria novos desafios, que vão da política interna à questão latente da autonomia curda", escreveu Steven A. Cook, do centro de estudos americano Conselho de Relações Exteriores, na revista Foreign Policy.

"Não há saída para Erdogan", acrescentou. "Ação ou omissão: ambas envolvem ameaças à segurança e riscos políticos que o presidente turco preferiria evitar."

Terror: Estado Islâmico avança na parte sudoeste da Síria mesmo após bombardeios

Ele se opõe ao governo de Assad e, apesar de ver o EI como uma ameaça, não está confortável com passar a ideia de que reforça o poder do presidente sírio, nem interesse a ele fortalecer a capacidade militar dos curdos, com quem o governo em Ancara mantém um velho conflito que deixou mais de 40 mil mortos.

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Segunda: Estado Islâmico hasteia bandeira no leste de cidade curda síria sitiada

A Turquia teme que as armas enviadas aos curdos iraquianos pelos países ocidentais acabem nas mãos do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão, considerado um grupo terrorista pela Turquia, EUA e União Europeia), que se juntou ao combate ao EI no norte do Iraque.

Em setembro, quando o EI avançou sobre a cidade de Kobane, no Curdistão sírio, a polícia turca entrou em confronto com curdos turcos, que queriam atravessar a fronteira para ajudar seus correligionários.

Iraque: Mais de 30 rebeldes são mortos em bombardeios

Mais de 160 mil pessoas cruzaram a fronteira e no total a Turquia abriga cerca de um milhão de refugiados sírios. Isso tem um custo econômico, estimado em US$ 3,5 milhões até o momento, mas também político, segundo Selin Girit, do serviço turco da BBC.

"Depois de lutar contra os guerrilheiros do PKK curdo no sudeste do país por quase 30 anos, a Turquia não quer que consolidem seu poder na região nem ver armas ocidentais nas mãos do PKK", explica Girit.

Sunitas

A Turquia tem negociado um acordo de paz com o PKK de forma intermitente durante anos, e a última coisa que quer ver é a destruição deste processo.

O PKK pode sair fortalecido da luta contra o EI, mas os curdos, que representam cerca de 20% da população do país, parecem querer que a Turquia se envolva militarmente na Síria como uma pré-condição para prosseguir no processo de paz, acrescenta.

Hugh Pope, vice-diretor do programa de Europa e Ásia Central da organização internacional International Crisis Group, mencionou outras preocupações possíveis para as autoridades turcas.

"Uma parte significativa do público turco acredita que os sunitas da Síria e no Oriente Médio são vítimas de injustiça e que, mesmo que as táticas do EI sejam repugnantes, o EI representa um legítimo apelo sunita."

"Apesar de algumas pesquisas de opinião pública mostrarem que a maioria dos turcos vê o EI como uma ameaça, um funcionário turco disse ao Crisis Group que uma pesquisa interna do governo mostrou mais simpatia pelo EI no eleitorado sunita do partido do governo. Isso torna difícil para o governo turco atacar diretamente o EI".

Leia tudo sobre: eiilsiriaturquiapkkerdogankobaneassadotan

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas