'Associar Bolivarianismo com Socialismo é erro', diz biógrafa de Bolívar

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Mesmo após ter morrido em 1830, o nome de Simón Bolívar continua presente nos dias atuais na política da América Latina

BBC

Quando ainda era vivo, o venezuelano Hugo Chávez declarou seu país uma "república bolivariana". Os presidentes Rafael Correa, no Equador, e Evo Morales, na Bolívia, se autodeclaram "bolivarianos".

2011: Um Bolívar pronto para uma luta na Venezuela

Reprodução/BBC
Marie Arana diz que Símon Bolívar espalhou o ideal de liberdade na América Latina


2010: Chávez desvaloriza bolívar e cria dupla taxa de câmbio

Essa apropriação do nome do líder latino faz com que, no Brasil, o termo seja associado ao modelo socialista muitas vezes defendido por estas lideraças latinoamericanas atuais.

Mas essa ligação entre Bolivarianismo e Socialismo é um equívoco, segundo uma das maiores estudiosas da vida de Bolívar, a jornalista peruana Marie Arana, editora literária do jornal americano The Washington Post.

Ela é a autor de Bolivar: American Liberator ("Bolívar: Libertador Americano", nunca lançado no Brasil), uma biografia do líder.

Na obra, Arana mostra como este militar nascido na atual Venezuela teve um papel-chave na luta pela independência de diversos países do continente em relação ao império espanhol, uma atuação que faz com que ele seja lembrado até hoje como um dos políticos mais influentes da história.

Arana falou nesta terça-feira sobre o livro e a vida de seu protagonista no TED Global, seminário que está sendo realizado no Rio de Janeiro. Após sua palestra, a BBC Brasil conversou com a jornalista sobre as ideias capitaneadas por Bolívar e sobre a apropriação de seu nome.

BBC Brasil - A imagem de Simon foi apropriada de diversas formas na América Latina. No Brasil, o termo "bolivariano" é usado para falar de algumas ideias da esquerda, principalmente quanto à maior participação popular na elaboração de leis ou no debate sobre a lei. Isso faz sentido?

Marie Arana - Isso não tem nada a ver com Símon Bolívar e com seus escritos originais. Isso vem dessa aliança "bolivariana" instituída por Hugo Chávez na Venezuela e que agora tem nove nações-membro. A apropriação do nome de Bolívar é espantosa, porque ele tinha ideias fortes sobre injustiça, esclarecimento popular, liberdade. Estas eram as coisas básicas nas quais ele acreditava. E a apropriação de seu nome por esta aliança de esquerda e socialista é errada historicamente e inapropriada.

BBC - Então, é errado dizer que ele era um socialista? Em vez disso, ele era um libertário?

Arana - Ela não era socialista de forma alguma. Em certos momentos, ele foi um ditador de direita. Em meio ao caos de uma revolução, ao tentar criar países, ele precisava ter uma mão forte. Ele dizia desprezar a ditadura, mas ele a usou, porque sabia que assim podia concretizar suas ideias. Ele se preocupava com o contrário, que a elite seria destituída e excluída do processo. Ele queria unir a todos.

BBC - Qual seria a definição correta de algo bolivariano?

Arana - Ser bolivariano é ser unificador. Significa se livrar de qualquer estrutura opressora. Se você olha para seu trabalho e seus escritos, a educação é algo muito importante para ele. Bolívar acreditava que era preciso criar uma forma de ensinar ética às pessoas. E qual é o nosso maior problema hoje? A corrupção, a ilegalidade, a informalidade. Ele entendeu muito antes de todos que tínhamos sido privados de uma educação básica e sido corrompidos de certa forma. Então, ser bolivariano seria defender a educação, a liberdade, a ética, a equidade social e o esclarecimento do homem.

BBC - Essa apropriação do seu nome por uma ideia de socialismo pode ser, então, um resultado de um sentimento anti-americano?

Arana - Há duas coisas envolvidas aí neste novo bolivarianismo, que não é um bolivarianismo de verdade. Primeiro, por o conceito embutir uma ideia de unificação. Bolívar acreditava nisso: eliminar fronteiras com uma grande aliança panamericana. E, em segundo lugar, Bolívar dizia admirar os americanos, mas dizia que eles "não tinham nada a ver" com os latinos. Ele viu o mercado escravocrata na Carolina do Norte e como a economia dos Estados Unidos dependia da escravidão. Também viu como era uma nação construída sobre uma só raça, religião, classe e filosofia, e ele sabia que isso não tinha nada a ver com a experiência da América Latina.

BBC - Então, como foi possível essa apropriação de Bolívar por ditadores de direira, como Pinochet, no Chile, e Franco, na Espanha. O que eles ganhavam com isso?

Arana - Eles ganhavam com fato de Bolívar representar uma ideia unificadora e de destruição da velha ordem. Quando se junta essas duas coisas, mesmo estando na direita, isso tem um grande apelo para as pessoas.

BBC - Como a senhora definiria quem é Simon Bolivar e porque ele foi tão importante para a América Latina ainda hoje?

Arana - Ele foi importante para a América Latina porque ele entendeu o prejuízo sofrido pela região por 300 anos graças à estrutura colonial espanhola. As pessoas não lembram ou não estudam o efeito que o colonialismo espanhol teve. As colênias não podiam comunicar-se entre si. Não era possível ler ou publicar nada das colônias. Não se podia plantar uma árvore e colher seus frutos. Eram regras muito opressoras.

E o legado de Bolívar é importante, porque ele tem um espírito inerente de liberdade e por apontar a dificuldades sofridas no continente latinoamericano, que ficou debilitado e foi infantilizado pelo colonialismo. Quando a Espanha foi embora, não conseguíamos nos governar, porque não nos ensinaram como fazer isso. Quando a Inglaterra foi embora, os Estados Unidos já governavam a si próprios. Mas nós éramos tão dominados pela ordem espanhola que, quando eles foram embora, foi caótico. Essa foi a importante lição da experiência de Bolívar. Isso foi inesperado mesmo para ele. Ele era um péssimo político, mas um grande defensor da liberdade.

BBC - Em sua pesquisa, a senhora encontrou conexões de Bolívar com o Brasil?

Arana - Houve uma conexão muito concreta: ele foi convidado a ir para a Argentina quando o país enfrentava problemas de fronteira com o Brasil. Pediram a ele para vir ajudar a resolver a questão. Ele espalhou a noção de liberdade pelo Brasil. Esta foi uma época extraoprdinária, quando a liberdade era contagiante.

Leia tudo sobre: bolivarespanhaamerica latinasocialismobolivarianismovenezuelachavez

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas