Pontos do comércios conseguiram se reabastecer e o trânsito fluiu desorganizado; a solução para o impasse deve demorar

Manifestantes pró-democracia em Hong Kong aliviaram os bloqueios em pontos importantes da cidade nesta terça-feira (7), permitindo o abastecimento de alguns comércios, embora o trânsito tenha ficado amplamente desorganizado e as conversas com o governo indiquem ser pequena a possibilidade de uma rápida solução.

Ontem: 'A bola está nas mãos do governo', diz líder dos protestos em Hong Kong

Ativista pró-democracia dorme enquanto centenas bloqueiam a Nathan Road, a principal via norte-sul da península de Kowloon, na área comercial de Mongkok, Hong Kong
Reuters
Ativista pró-democracia dorme enquanto centenas bloqueiam a Nathan Road, a principal via norte-sul da península de Kowloon, na área comercial de Mongkok, Hong Kong


Internet: App facilita conversa entre manifestantes de Hong Kong

Centenas de manifestantes, na segunda semana de sua campanha por mais democracia, continuavam acampados no distrito governamental e comercial, os últimos remanescentes após dias de protestos que em seu auge atraíram dezenas de milhares de pessoas ao local.

Os manifestantes liderados por estudantes começaram a liberar o controle de repartições do governo e áreas de comércio na segunda-feira, à medida que conversações preliminares e informais, que devem conduzir a negociações formais, mostraram sinais modestos de progresso.

Dia 4: Manifestantes rivais se enfrentam nos arredores de Hong Kong

"Agora temos que esperar para ver essas reuniões", disse Ronald Chan, um universitário recém-formado que era um dos diversos manifestantes no controle de uma barricada no distrito comercial, chamado Central, e que permitiu que vans de entrega e caminhões de lixo entrasse e saíssem.

Ele disse que diversos transeuntes os haviam agradecido por permitir as entregas e estimou que mais da metade deles os apoiavam.

Dia 3: Manifestantes suspendem diálogo com o governo de Hong Kong

"Sabemos que causamos algum inconveniente, mas temos nossos motivos", disse ele. "Esperamos que outras pessoas entendam."

Os protestos "Occupy Central", uma ideia concebida há mais de um ano, referindo-se ao distrito Central de Hong Kong, representam para o governo chinês, em Pequim, um de seus maiores desafios políticos desde que reprimiu manifestações por democracia na Praça da Paz Celestial, na capital chinesa, em 1989.

Irônica: Filha do líder de Hong Kong agradece contribuintes por sapato de grife

Pequim teme que reivindicações por democracia em Hong Kong possam se espalhar pela China continental, com o país já enfrentando inquietações separatistas no Tibete e em Xinjiang. A liderança do Partido Comunista considerou os protestos de Hong Kong como ilegais e deixou que o líder da cidade, nomeado por Pequim, Leung Chun-ying, encontrasse uma solução.

Na última semana, os manifestantes exigiram que Leung deixasse o cargo e que a China permitisse que o povo de Hong Kong votasse em um líder de sua escolha em 2017. O governo da China quer selecionar os candidatos para a eleição.

Protestos: Ativistas pró e contra Pequim entram em confronto em Hong Kong

Após as discussões preparatórias com representantes estudantis na noite de segunda-feira (horário local), o subsecretário de governo para assuntos constitucionais, Lau Kong-wah, disse que ambos os lados haviam concordado nos princípios gerais de negociações formais.

"Eu acho que a reunião de hoje foi bem-sucedida e houve progresso", disse ele a repórteres.

Líderes dos protestos prometeram continuar com as manifestações até que suas demandas sejam cumpridas. Os protestos ajudaram a diluir quase 50 bilhões de dólares do valor de ações negociadas na Bolsa de Valores de Hong Kong. O Banco Mundial disse que as manifestações estavam prejudicando a economia local, embora o impacto na China seja limitado.

Dia 2: Líder de Hong Kong descarta renúncia, mas se oferece para negociar

Economia local

Os protestos que ocupam as ruas de Hong Kong há uma semana podem prejudicar a economia local e também a da China, mas a escala do impacto depende de quanto tempo mais durar as ações, de acordo com o principal economista asiático do Banco Mundial, Sudhir Shetty.

Segundo Shetty, o banco observa atentamente os acontecimentos em Hong Kong, onde milhares de manifestantes pró-democracia paralisaram avenidas do centro, levando a um impasse tenso com o governo.

China: Hong Kong alerta ativistas para reação dura, se prédios públicos forem ocupados

"Nós, obviamente, como qualquer outro grupo de analistas econômicos, estamos observando atentamente a situação e o seu impacto", disse em declaração a jornalistas, em Singapura.

"O impacto vai se fazer sentir na região administrativa especial de Hong Kong, na sua economia, mas também, em termos mais amplos, na economia chinesa", acrescentou.

Sudhir Shetty prevê um "crescimento mais lento em 2014 do que aquele que tinha sido antecipado" em Hong Kong.

Assista: Imagens de drone mostram dimensão dos protestos em Hong Kong

"Nesta fase, as nossas melhores estimativas dizem que não há ainda efeito de contágio na economia chinesa, mas é algo que nós, e outros, vamos continuar a analisar", completou.

*Com Agência Brasil e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.