Governo turco enfrenta pressão de aliados para desempenhar um papel de maior relevância na campanha liderada pelos EUA

Reuters

O Parlamento turco aprovou, nesta quinta-feira, a moção que possibilita ao governo a realização de incursões militares através das fronteiras do país no Iraque e na Síria para enfrentar militantes do Estado Islâmico, apesar de não haver ainda indícios claros de que essa ação é iminente.

A moção, aprovada por uma maioria de três quartos no Parlamento, também permite que soldados estrangeiros sejam estacionados na Turquia, assim como permite o uso das bases militares do país para os mesmos objetivos.

Setembro: Turquia busca mandato para se juntar a ação militar contra o EI

Estado Islâmico distribui panfletos para pedir 'aliança' com o líder do grupo

O governo turco vem enfrentando pressão de aliados para desempenhar um papel de maior relevância na campanha militar liderada pelos Estados Unidos contra o Estado Islâmico, depois que os insurgentes avançaram para dentro do campo de visão de posições militares turcas na fronteira com a Síria.

Assista: Sitcom iraquiana faz paródia de militantes do Estado Islâmico

Ontem: Estado Islâmico decapita mais sete homens e três mulheres na Síria

O presidente turco, Tayyip Erdogan, insiste que apenas os ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos não serão suficientes para conter a ameaça e está pedindo a remoção do presidente sírio, Bashar al-Assad, objetivo que não é compartilhado pela coalizão militar liderada pelos Estados Unidos.

Ancara também se mostra relutante em tomar medidas que possam fortalecer os combatentes curdos aliados do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), um grupo militante que lutou contra o Estado turco por três décadas e com o qual estão sendo conduzidas tensas conversas para um acordo de paz.

Os combatentes curdos conhecidos como Unidades de Defesa Popular (YPG) estão enfrentando os insurgentes do Estado Islâmico no norte da Síria. O PKK é classificado como um grupo terrorista pela Turquia, pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.