EUA aliviam embargo de armas ao Vietnã quase 40 anos após fim de guerra

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Objetivo é auxiliar o país a melhorar sua segurança marítima; americanos veem mercado vietnamita como promissor

Reuters

Os EUA aliviaram parcialmente a proibição de longa data às vendas de armas letais ao Vietnã, nesta quinta-feira (2). O objetivo é auxiliar o país a melhorar a sua segurança marítima, uma guinada histórica que ocorre quase 40 anos depois da Guerra do Vietnã.

Reuters

"O Departamento de Estado tomou as medidas necessárias para permitir a transferência futura de artigos de defesa relacionados com segurança marítima para o Vietnã", disse a porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki.

Autoridades do Departamento de Estado falaram, em entrevistas separadas, que as vendas de quaisquer tipos de armas seriam avaliadas caso a caso conforme as demandas do país asiático.

Leia também:
Vietnã encontra objeto no mar que pode ser uma das portas de avião desaparecido
Tufão mata ao menos 11 no Vietnã; número de mortos na China chega a 26
Ao menos 400 dependentes químicos fogem de centro de reabilitação no Vietnã

Elas disseram que o foco seria auxiliar o Vietnã a patrulhar e se defender no mar do Sul da China, mas que as vendas poderiam incluir sistemas aéreos, assim como navios. As autoridades se negaram a nomear qualquer sistema de armamento específico cuja venda estaria sendo considerada.

"Este é um primeiro passo muito importante que vai garantir cooperação futura", disse uma das autoridades. "O que essa revisão do embargo nos permite fazer é fornecer ao Vietnã a capacidade de se defender no contexto da sua presença no mar do Sul da China."

As autoridades disseram que a decisão acompanha o progresso feito pelo Vietnã em direitos humanos, incluindo a libertação de seis presos políticos e a concessão de anistia a outros cinco. Mas condicionaram um alívio maior no embargo a um progresso adicional do Vietnã na questão de direitos humanos.

Elas acrescentaram que não esperam nenhuma forte reação da China, já que o foco estaria no fornecimento de sistemas defensivos ao Vietnã. "Não é uma movimentação contrária à China", disse um dos funcionários.

A decisão de reduzir o peso do embargo segue uma reconstrução gradual dos laços entre os EUA e o Vietnã nas últimas duas décadas, acelerada com uma série de reuniões diplomáticas e militares nos últimos meses.

Executivos do setor industrial norte-americano veem o Vietnã como um mercado promissor para os seus produtos devido ao reequilíbrio estratégico militar dos EUA para a região da Ásia-Pacífico.

Leia tudo sobre: vietnãeuaguerra do vietnã

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas