Julia Pierson renunciou ao cargo após sofrer críticas do Congresso por ter falhado na segurança ao presidente Obama

BBC

Menos de um dia após sofrer duras críticas do Congresso norte-americano ao tentar explicar como um homem armado invadiu a Casa Branca no mês passado, a diretora do Serviço Secreto dos Estados Unidos, Julia Pierson, renunciou ao cargo, nesta quarta-feira (1º).

Julia Pierson em audiência realizada em Washington, EUA, nesta terça-feira
Reuters
Julia Pierson em audiência realizada em Washington, EUA, nesta terça-feira

O anúncio ocorre depois de vários incidentes que revelaram falhas na segurança do presidente Barack Obama. No mais recente, em 19 de setembro, o veterano de guerra Omar J. Gonzalez, armado com uma faca, pulou a cerca da Casa Branca, correu pelo gramado, confrontou um agente, entrou na residência presidencial e chegou a percorrer alguns cômodos antes de ser contido.

A invasão ocorreu poucos minutos depois de o presidente e sua família deixarem a Casa Branca.

Leia mais:
Casa Branca instala cerca temporária para reforçar segurança após invasão
Suspeito de invadir a Casa Branca enfrenta acusações em tribunal

O Secretário de Segurança Interna, Jeh Johnson, indicou Joseph Clancy, um ex-agente que já havia atuado na segurança do presidente, para ocupar o cargo interinamente.

Segundo o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, o presidente Obama telefonou para Pierson após o anúncio e agradeceu o serviço à agência e ao país.

Competência
Com 30 anos de atuação no Serviço Secreto, Pierson havia assumido no ano passado a direção da agência - que até então estava desgastada após diversos escândalos envolvendo agentes em missões no exterior.

Leia também:
Obama pegou elevador com homem armado e condenado por crimes, diz porta-voz
Casa Branca instala cerca temporária para reforçar segurança após invasão

A pressão por sua renúncia aumentou após o depoimento ao Congresso, na terça, no qual ela assumiu as responsabilidades pelas falhas e disse que medidas de segurança adicionais já haviam sido adotadas.

Parlamentares democratas e republicanos colocaram em dúvida a competência do Serviço Secreto de proteger o presidente e pediram uma investigação sobre a conduta da agência. Um novo portão foi colocado cercando a Casa Branca para fortalecer a segurança

Entre as críticas está também o fato de o Serviço Secreto ter inicialmente omitido alguns detalhes sobre o incidente, como o fato de o invasor estar armado e ter entrado em alguns cômodos da Casa Branca.

Na terça, o jornal The Washington Post revelou que o invasor, Omar J. Gonzalez, foi detido por um agente que estava fora de serviço e estava deixando a residência no momento da invasão.

O incidente foi o último de uma série de lapsos na segurança do presidente. No mesmo dia que o Washington Post noticiou detalhes sobre a invasão da Casa Branca, foi revelado também que um segurança privado armado havia estado em um elevador ao lado do presidente Obama em visita a Atlanta, no mês passado.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.