Papa convoca representantes no Oriente Médio para discutir o Estado Islâmico

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Encontro acontecerá em outubro com embaixadores da Santa Sé em países como Jordânia, Iraque, Irã, Líbano, Síria e Turquia

Reuters

O papa Francisco, que expressou alarme com o avanço dos militantes do Estado Islâmico e o sofrimento dos cristãos no Oriente Médio, convocou seus enviados à região para uma rara reunião, informou o Vaticano nesta terça-feira (30).

Dia 28: Papa pede que idosos sejam valorizados: 'Abrigos devem ser casas, não prisões'

Reuters
Silhueta do papa Francisco durante audiência privada com o presidente de Malta, Marie-Louise Coleiro Preca, no Vaticano (29/09)


Investigação: Padre pedófilo tinha mais de 100 mil arquivos pornográficos

Esse encontro será realizado entre os dias 2 e 4 de outubro e contará com os embaixadores da Santa Sé na Jordânia, Iraque, Irã, Líbano, Síria, Turquia, Israel e nos territórios palestinos, assim como os representantes na Organização das Nações Unidas (ONU) e na União Europeia.

Eles terão reuniões com mais de uma dezena de autoridades do primeiro escalão do Vaticano, incluindo o secretário de Estado, cardeal Pietro Parolin, que na segunda discursou na ONU sobre a crise no Oriente Médio.

Dia 25: Papa destitui bispo acusado de proteger padre suspeito de crime sexual

No início de setembro, durante uma visita à majoritariamente muçulmana Albânia, Francisco fez uma crítica dura aos militantes islâmicos, dizendo que nenhum grupo religioso que usa a violência e a opressão pode afirmar ser "a armadura de Deus".

O Estado Islâmico declarou um "califado" nos territórios que controla na Síria e no Iraque e matou ou expulsou grande número de cristãos, muçulmanos xiitas e outros que não concordam com sua visão extremista do islamismo sunita.

Indagado sobre o Estado Islâmico no mês passado, quando voltava de uma viagem à Coreia do Sul, Francisco endossou a ação da comunidade internacional para deter a "agressão injustificada".

Parolin, principal diplomata do Vaticano, afirmou durante a Assembleia Geral da ONU em Nova York na segunda-feira que é "tanto lícito quanto urgente deter a agressão através da ação multilateral e de um uso proporcional de força".

Leia tudo sobre: eiiloriente mediopapapapa franciscovaticanoonusiria

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas