China reitera apoio ao governo de Hong Kong pelo fim de protestos pró-democracia

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Apoiamos o para que o problema seja resolvido, disse porta-voz da diplomacia chinesa, Hua Chunying, nesta terça-feira

Agência Brasil

A China assegurou nesta terça-feira (30) que o governo de Hong Kong tem seu inteiro apoio na gestão das manifestações "ilegais" que ocorrem no território sob administração chinesa.

Mais cedo: China contempla risco de descontrole por protestos em Hong Kong

Reuters
Ônibus com mensagens de apoio para em uma rua no distrito comercial de Mongkok depois de milhares de manifestantes bloquearem estrada em Hong Kong

Vídeo: Ativistas desafiam a polícia e mantêm ocupação em Hong Kong

"Apoiamos inteiramente o governo da região autônoma de Hong Kong para resolver o problema", declarou a porta-voz da diplomacia chinesa, Hua Chunying.

A ratificação da posição de Pequim foi divulgada depois de o chefe do Executivo de Hong Kong, Leung Chun-ying, exigir nesta terça-feira o fim imediato das manifestações. O governo chinês já havia declarado apoio ao Executivo de Hong Kong na semana passada.

Ontem: Protestos levam Hong Kong a cancelar show de fogos pelo Dia Nacional chinês

Os ativistas pró-democracia prometeram ocupar o centro da cidade até que o governo central chinês concorde com as reformas políticas prometidas após a integração da ex-colônia britânica, em 1997, ao território chinês.

"Certos países fizeram declarações sobre o tema", disse a porta-voz da diplomacia chinesa, acrescentando que "os assuntos de Hong Kong fazem parte das questões internas chinesas".

"Nós pedimos às partes externas moderação e que não interfiram de maneira nenhuma", acrescentou Hua Chunying.

Domingo: Ativistas de Hong Kong desafiam a polícia com bombas de gás

Londres pediu a abertura de conversas "construtivas" e Washington pediu calma às autoridades e aos manifestantes.

Hong Kong passa pela mais importante série de ações de contestação desde a passagem para a administração chinesa.

As manifestações começaram no início da semana passada e participam do movimento estudantes, trabalhadores e outros setores da sociedade de Hong Kong, o que resultou em detenções e feridos depois de confrontos com a polícia.

Dia 4: Líder de Hong Kong questiona contribuição britânica à democracia na região

Os manifestantes protestam contra a decisão de Pequim, anunciada em agosto, de promover uma eleição geral para chefe do Executivo de Hong Kong em 2017, mas mantendo o controle das candidaturas.

Habitantes de Hong Kong se beneficiam de um sistema judiciário e político diferente do da China e de uma liberdade de expressão desconhecida na parte continental do país, mas estão preocupados com a crescente interferência de Pequim nas questões do território.

Leia tudo sobre: chinahong kongprotestospequimprotestos em hong kong

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas