Ativistas protestam contra suspensão do referendo na Catalunha

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Organizadores do protesto convidaram os catalães 'a pendurar gaiolas com urnas dentro' referente a proibição da democracia

Agência Brasil

Urnas de voto fechadas apareceram nesta terça-feira (30) em vários pontos da Catalunha, região autônoma da Espanha, em uma ação de "um grupo de cidadãos" que se diz "silenciado e enjaulado" pela decisão do Tribunal Constitucional, que suspendeu cautelarmente plebiscito de 9 de novembro.

Ontem: Tribunal da Espanha suspende referendo sobre independência da Catalunha

Reuters
Ativistas pró-independência seguram cartazes em forma de urna durante protesto em frente ao Parlamento espanhol em Madri


Espanha: Governo se reúne para definir recursos contra plebiscito da Catalunha

Os organizadores do protesto, em nota, convidaram todos os catalães "independentemente da sua afinidade política, a pendurar gaiolas em suas varandas, janelas e terraços, com urnas no interior" para que "nunca seja apagada a memória coletiva do dia em que as liberdades democráticas foram proibidas".

Na noite de segunda (29) cerca de 300 ativistas se reuniram em frente à sede do Governo espanhol em Barcelona para protestar contra a suspensão do referendo. Eles seguravam faixas com frases como "Desobedecer pelo referendo: pela independência". Novas manifestações foram convocadas para hoje à tarde na Catalunha, pelo movimento separatista Assembleia Nacional Catalã (ANC).

Sábado: Presidente da Catalunha convoca referendo para independência da Espanha

As ações de protesto visam garantir a realização do referendo convocado pelo presidente da região catalã, Artur Mas, no último sábado, para decidir se a Catalunha deve continuar sendo parte da Espanha.

Na segunda, o Governo espanhol recorreu à Justiça contra o processo de independência. O Tribunal Constitucional acatou os dois recursos: um contra a lei que autoriza a realização da consulta e outro contra o decreto de convocação. O referendo está, portanto, suspenso até que uma decisão final seja emitida - o que deve acontecer em, no máximo, cinco meses.

Sexta: Espanha reúne ministros para consulta sobre referendo da Catalunha

Mesmo com a decisão judicial, uma campanha publicitária sobre a consulta foi lançada pelo governo regional catalão, além de uma página na internet com informações sobre o voto de 9 de novembro.

A Secretária-Geral de Esquerda da Catalunha, Marta Rovira, que apresentou a campanha, disse que "os republicanos seguirão adiante em sua estratégia política e vai haver votação no dia 9 de novembro."

Nas peças publicitárias publicadas hoje nos jornais da Catalunha, aparece a convocação: "Lembre-se, no dia 9 de novembro você tem um encontro". Também foram incluídas as duas perguntas a serem respondidas no dia da votação: "Quer que a Catalunha se torne um Estado?" e, em caso afirmativo, "Quer que esse Estado seja independente?".

Cerca de 5,4 milhões de catalães devem participar da consulta, caso ela realmente ocorra.

Leia tudo sobre: referendo na catalunhacatalunhaespanhaprotestos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas