Em pronunciamento, Walid al-Moualem parece apoiar ataques aéreos liderados pelos EUA contra posições do grupo no país

Reuters

A Síria apoia o esforço mundial para combater o Estado Islâmico, disse o ministro das Relações Exteriores, Walid al-Moualem, nesta segunda-feira (29), em pronunciamento feito na ONU que parece dar apoio tácito aos ataques aéreos dos Estados Unidos e de países árabes na Síria contra posições dos militantes.

Hoje: Filho de brasileira é julgado na Bélgica por se unir ao Estado Islâmico na Síria

O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Moualem, discursa na Assembléia Geral das Nações Unidas em NY
Reuters
O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Moualem, discursa na Assembléia Geral das Nações Unidas em NY



Síria: Coligação bombardeia principal complexo petrolífero do Estado Islâmico

"A República Árabe Síria reitera que apoia qualquer esforço internacional com o objetivo de enfrentar e combater o terrorismo, e reforça que isso deve ser feito em respeito total às vidas de civis inocentes e dentro de um quadro de respeito total da soberania nacional, e em conformidade com as convenções internacionais", disse Moualem à Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Moualem não condenou especificamente os ataques aéreos, mas alertou que tomar ações militares enquanto alguns países continuam a apoiar os militantes poderia criar uma situação da qual "a comunidade internacional não vai sair em décadas".

Obama: Inteligência dos EUA subestimou militantes na Síria

"Vamos juntos parar essa ideologia e suas exportações, vamos simultaneamente colocar pressão sobre os países que se uniram à coalizão liderada pelos EUA para acabar com o apoio aos grupos terroristas armados", disse Moualem.

Veja fotos dos ataques do EI no Iraque

Dia 27: Ataques aéreos atingem militantes do Estado Islâmico no leste da Síria

A Síria acusa Catar, Arábia Saudita e Turquia de apoiar grupos militantes islâmicos durante a guerra civil de três anos no país. Esses países negam as acusações, mas autoridades ocidentais dizem que os três países ajudaram no passado esses grupos na Síria.

O Estado Islâmico tomou grandes partes de território da Síria e do Iraque, e é acusado de realizar massacres e decapitações de civis e soldados. Até o momento, os ataques aéreos dos Estados Unidos e de aliados não conseguiram parar os avanços dos militantes sobre novos territórios.

Moualem disse que o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, está "esforçando-se por uma solução política na Síria e em diálogo com todos os membros honrados da oposição nacional que se opõem ao terrorismo na Síria".

Cenário: EUA precisam de até 15 mil homens para vencer Estado Islâmico na Síria

Muitos ativistas sírios e rebeldes têm criticado os Estados Unidos por se concentrarem nos ataques ao Estado Islâmico e a outros grupos militantes, enquanto fazem pouco para tirar Assad do poder.

O conflito na Síria começou como um movimento pacífico de protesto, mas, após a repressão do governo, tornou-se uma guerra na qual houve mais de 190 mil mortes ao longo de mais de três anos. Os conflitos ainda matam cerca de 200 por dia.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.