Ataque tinha como objetivo obrigar os militantes a deixarem o local, segundo diretor de uma organização não governamental

As forças da coligação liderada pelos Estados Unidos bombardearam na noite de domingo (28) o principal complexo petrolífero controlado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria, anunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Obama: Inteligência dos EUA subestimou militantes na Síria

Homem caminha entre escombros de uma base da Frente al-Nusra ligada à al-Qaeda que foi alvo de ataques liderados pelos EUA contra o EI na Síria (27/09)
Reuters
Homem caminha entre escombros de uma base da Frente al-Nusra ligada à al-Qaeda que foi alvo de ataques liderados pelos EUA contra o EI na Síria (27/09)


Dia 27: Ataques aéreos atingem militantes do Estado Islâmico no leste da Síria

"A coligação internacional atacou pela primeira vez a entrada e a sala de orações da Refinaria Coneco", disse o diretor da organização não governamental, Rami Abdel Rahman, acrescentando que aquele complexo industrial petrolífero, "sob o controle do EI, é o maior da Síria".

Segundo ele, o ataque tinha por objetivo obrigar os ativistas do EI a abandonar as instalações.

Os EUA e um grupo de países árabes, principalmente do Golfo Pérsico, iniciaram na terça-feira (21) uma ofensiva aérea contra posições jihadistas na Síria, um mês e meio depois de terem começado a bombardear alvos do EI no Iraque.

Violência: Estado Islâmico aperta cerco a cidade síria

Até domingo, os ataques visaram principalmente bases jihadistas e refinarias usadas pelos ativistas, para cortar a principal fonte de financiamento. O ataque à Coneco "não fez mortos entre os jihadistas, mas apenas alguns feridos", disse Abdel Rahman.

"A refinaria situa-se no Leste da Síria, na província de Deir Ezzor, rica em petróleo e próxima da fronteira iraquiana".

EUA

O presidente dos EUA, Barack Obama, reconheceu que os serviços de inteligência dos EUA subestimaram o avanço dos combatentes do Estado Islâmico no Iraque e na Síria, onde um líder de um braço da al-Qaeda alertou que militantes irão atacar o Ocidente em retaliação aos ataques aéreos norte-americanos.

Cenário: EUA precisam de até 15 mil homens para vencer Estado Islâmico na Síria

Tanques turcos tomaram posição na fronteira com a Síria, do outro lado de uma cidade de fronteira sitiada onde os ataques do Estado Islâmico se intensificaram, resultando em disparos sobre o território turco.

Os ataques aéreos liderados pelos EUA durante a noite atingiram uma usina de produção de gás natural controlada por combatentes do Estado Islâmico no leste da Síria, disse um grupo de monitoramento, como parte de uma aparente campanha para afetar umas das principais fontes de receita dos militantes.

Sexta: Grã-Bretanha, Bélgica e Dinamarca se unem à campanha contra o EI

Veja fotos dos ataques do grupo no Iraque

Irã: Erros do Ocidente fizeram do Oriente Médio uma 'terra de terroristas', diz líder

Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, aviões também atingiram um armazém de grãos no norte da Síria, matando civis. Essa informação não pôde ser confirmada de imediato.

Ataques aéreos até o momento não foram capazes de parar o avanço dos combatentes no norte da Síria em Kobani, uma cidade curda na fronteira com a Turquia, onde as batalhas da semana passada provocaram a mais rápida fuga de refugiados da guerra civil de três anos na Síria.

Relato: Sobrevivente denuncia estupro e exploração sexual no Iraque

O Estado Islâmico assustou o Ocidente e o Oriente Médio ao tomar partes do território do Iraque em junho, matando prisioneiros e ordenando que xiitas e grupos não muçulmanos se convertessem, ou seriam mortos.

Já o líder do braço sírio da al-Qaeda, a Frente al-Nusra, um grupo militante sunita que é rival do Estado Islâmico e também tem sido alvo de ataques dos Estados Unidos, disse que os militantes islâmicos vão realizar ataques contra o Ocidente em retaliação à campanha.

Dia 25: Coalizão ataca refinarias para enfraquecer Estado Islâmico

"Os muçulmanos não vão ficar assistindo enquanto seus filhos são bombardeados. Seus líderes não serão os únicos a pagar o preço da guerra. Vocês vão pagar o preço mais alto", disse Abu Mohamad al-Golani em uma mensagem de áudio postada em fóruns pró-Nusra.

Obama tem trabalhado desde agosto para construir uma coalizão internacional para combater os militantes, que foram descritos por ele na semana passada em discurso na ONU como uma "rede da morte".

O reconhecimento do presidente norte-americano, em entrevista exibida no domingo, de que os serviços de inteligência dos EUA subestimaram o Estado Islâmico ofereceu uma explicação para por que o país aparentemente foi surpreendido quando os combatentes avançaram pelo Iraque.

Dia 25: EUA identificam militante mascarado do EI que decapitou jornalistas

Militantes estavam ocultos quando as forças dos EUA anularam a Al Qaeda no Iraque, com a ajuda das tribos locais, durante a guerra dos EUA no país, que terminou em 2011, disse Obama ao programa "60 Minutes", da CBS.

"Mas, ao longo dos últimos dois anos, durante o caos da guerra civil síria, onde essencialmente você tem enormes áreas do país que são completamente desgovernadas, eles foram capazes de se recompor e tirar proveito desse caos."

Obama, que quase ordenou ataques aéreos contra o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, há um ano, disse que reconhece a aparente contradição de se opor a Assad ao mesmo tempo em que enfrenta os adversários dele. Ele ainda defende que Assad deixe o poder, mas considera o Estado Islâmico uma ameaça mais urgente.

*Com Agência Brasil e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.