EUA comandam coalizão militar que inclui países do Golfo e da União Europeia com objetivo de acabar com grupo radical

Reuters

Ataques aéreos atingiram o Estado Islâmico e outros grupos radicais no leste da Síria na manhã deste sábado (27), disse um grupo de monitoramento. As ações ocorrem enquanto uma coalizão liderada pelos Estados Unidos busca virar o jogo contra os militantes que conquistaram partes da Síria e do norte do Iraque.

Veja fotos do Estado Islâmico e dos combates que visam a derrotar o grupo:

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, baseado na Inglaterra, disse que pelo menos 31 explosões puderam ser ouvidas na província de Raqqa, bastião do Estado Islâmico, e baixas foram reportadas.

Foi dito que os aviões de guerra também atingiram áreas ao leste da cidade de Palmyra, na província de Horns, e afetou diversos pontos de controle ao redor da cidade curda de Kobani, próxima à fronteira turca.

Leia mais:
Estado Islâmico aperta cerco a cidade síria
Líder britânico pede apoio a Parlamento para bombardeios no Iraque

Mais tarde, uma testemunha afirmou ter visto dois caças britânicos deixando uma base da Força Aérea Real em Chipre, um dia depois de o parlamento do Reino Unido ter autorizado ataques aéreos contra o Iraque.

A campanha aérea liderada pelos Estados Unidos ainda tem de interromper o avanço dos combatentes do Estado Islâmico na cidade de Kobani, também conhecida como Ayn al-Arab, sob ataque há pelo menos 10 dias.

O ataque enviou 140 mil refugiados pela fronteira desde a semana passada, no maior êxodo do tipo em três anos e meio de guerra civil. "Hoje, eles (combatentes do EI) avançaram pelo lado ocidental da cidade", disse Rami Abdelrahman, do Observatório.

Leia também:
Coalizão ataca refinarias para enfraquecer Estado Islâmico
EUA identificam militante mascarado do Estado Islâmico que decapitou jornalistas

Os Estados Unidos estão liderando uma coalizão militar incluindo alguns países do Golfo e da União Europeia para interromper o avanço do Estado Islâmico, que varreu o norte do Iraque em junho. O grupo sunita proclamou a fundação de um "califado" governando sobre todos os muçulmanos, abatendo prisioneiros e ordenando a xiitas e não-muçulmanos a se converter ou morrer.

A campanha levou Washington de volta ao campo de batalha no Iraque, o qual deixou em 2011, e à Síria pela primeira vez após evitar o envolvimento em uma guerra que começou no mesmo ano.

Os grupos militares na região e sites comumente usados por seus apoiadores não mencionavam imediatamente ataques neste sábado.

Os alvos dos ataques aéreos incluem diversas bases militares ocupadas pelo EI, incluindo o aeroporto militar de Tabqa, onde vários membros do grupo foram mortos, disse o Observatório, sem fornecer um número específico.

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.