Sobrevivente denuncia estupro e exploração sexual no Iraque

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ao menos 3 mil mulheres e crianças da minoria yazidi foram raptadas pelo Estado Islâmico; refugiados vivem em barracas

BBC

Mais de 3 mil mulheres e crianças pertencentes à minoria étnica yazidi no Iraque foram raptadas pelo grupo que se autodenomina Estado Islâmico e destinadas ao tráfico sexual. 

Ontem: Coalizão ataca refinarias para enfraquecer Estado Islâmico

Reprodução/BBC
Iraquianas choram por filhas desaparecidas


Descoberta: EUA identificam militante mascarado do EI que decapitou jornalistas

Algumas conseguiram escapar e contaram à BBC que foram abusadas sexualmente e torturadas pelo grupo radical islâmico.

"Todo dia homens entravam e faziam a gente tirar os véus da cabeça. Aí eles escolhiam qual de nós iriam querer. Muitas foram estupradas, eram arrastadas pelos cabelos. Não sabemos o que aconteceu com elas", contou uma das sobreviventes à BBC.

Mais cedo: Estado Islâmico exibe crimes em sessão de cinema ao ar livre no Iraque

Dezenas de milhares de iraquianos yazidi fugiram das regiões dominadas pelo grupo jihadista no último mês. Os refugiados vivem agora em barracas improvisadas e não têm para onde ir.

Segundo grupos de Direitos Humanos, mais de 5 mil homens, mulheres e crianças estão desaparecidos no Iraque.

Leia tudo sobre: eiiliraqueeiil no iraquedireitos humanosestuprosyazidi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas