Para Irã, erros do Ocidente fizeram do Oriente Médio uma 'terra de terroristas'

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo líder iraniano, estratégias equivocadas também foram fundamentais para aumentar o terror na Ásia Central e Cáucaso

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse durante discurso na 69ª Assembleia Geral das Nações Unidas que as estratégias equivocadas do Ocidente para o Oriente Médio, Ásia Central e para o Cáucaso converteram as regiões em paraísos para terroristas.

Hoje: Líder britânico pede apoio a Parlamento para bombardeios no Iraque

Reuters
O presidente iraniano Hassan Rouhani durante Assembleia Geral das Nações Unidas na sede das Nações Unidas em Nova York, EUA (25/09)

Ontem: EUA identificam militante mascarado do EI que decapitou jornalistas

Segundo ele, as grandes potências ocidentais incentivam o fundamentalismo e agora não sabem como detê-lo. Como exemplo, Rouhani citou as intervenções militares no Afeganistão, no Iraque e na Síria. Para o presidente do Irã são os países da região que devem combater os grupos fundamentalistas.

"A experiência da criação da al-Qaeda, do Taleban e de outros grupos extremistas mostram que não se pode usar grupos fundamentalistas para combater um Estado adversário, sem se intimidar com as consequências de um extremismo mais amargo".

Rouhani ressaltou que, se a coalizão liderada pelos Estados Unidos para enfrentar o Estado Islâmico tiver o objetivo de manter a hegemonia ocidental sobre a região cometerá mais um erro, que alimentará o ódio e a islamofobia.

Relato: Sobrevivente denuncia estupro e exploração sexual no Iraque

Para ele, a democracia não pode ser importada e, para consegui-la, da mesma forma como para acabar com o extremismo, deve-se impulsionar a Justiça e o desenvolvimento.

"Sempre consideramos que a democracia não poderia ser imposta do exterior (…) não é um produto comercial que possa ser exportado do Ocidente para Leste", disse Rouhani.

Ação: Coalizão ataca refinarias para enfraquecer Estado Islâmico

"Quando os generais irrompem numa região, não esperam que sejam calorosamente recebidos pelos diplomatas. Quando a guerra começa, a diplomacia termina. Quando as sanções são impostas, aumenta o ódio sobre quem as aplica", acrescentou. 

Sobre as desconfianças das grandes potências mundiais quanto ao programa nuclear de seu país, Rouhani disse que o Irã está determinado a prosseguir as negociações sobre seu programa nuclear, na expectativa de que um acordo seja concluído em curto prazo.

Cenário: Estado Islâmico exibe crimes em sessão de cinema ao ar livre no Iraque

Apesar disso, observou que as sanções constituem um impedimento para cooperações de longo prazo. Grandes potências e Israel acusam o Irã de promover clandestinamente, camufladas pelo programa nuclear civil, atividades destinadas à fabricação de bombas atômicas, o que o governo do país nega.

*Com informações do Centro de Notícias ONU, Agência Brasil e da Agência Lusa

Leia tudo sobre: eiilonuirarouhanial qaedatalebaneua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas