Grã-Bretanha, Bélgica e Dinamarca se unem à campanha contra o Estado Islâmico

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

'São psicopatas que estão tentando nos matar. Querendo ou não, eles já declararam guerra contra nós', diz premiê britânico

A Grã-Bretanha, Bélgica e Dinamarca se juntaram, nesta sexta-feira (26), à coalizão liderada pelos EUA que está lançando ataques aéreos contra o Estado Islâmico no Iraque e Síria.

Mais cedo: Líder britânico pede apoio a Parlamento para bombardeios no Iraque

AP
O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, durante o debate no Parlamento londrino, na Inglaterra


Ontem: EUA identificam militante mascarado do EI que decapitou jornalistas

Legisladores europeus categoricamente descreveram essas ações como fundamentais para a segurança internacional, argumentando que enfrentar os terroristas tornou-se uma questão de urgência.

O primeiro-ministro britânico David Cameron fez um apelo apaixonado por uma ação drástica - observando que os militantes haviam decapitado suas vítimas, furaram seus olhos e realizaram crucificações para promover objetivos "da Idade das Trevas."

"Trata-se de terroristas psicopatas que estão tentando nos matar e nós temos que perceber que, querendo ou não, eles já declararam guerra contra nós", disse ele. "Não há uma opção 'siga em frente'. Nem a opção 'espero que desapareça'."

Relato: Sobrevivente denuncia estupro e exploração sexual no Iraque

Durante debate que durou mais de seis horas, Cameron explicou que as marcas da campanha seriam "paciência e persistência, não choque e pavor" - uma referência à frase associada com a invasão do Iraque.

Essa intervenção impopular lançou uma sombra sobre as discussões, pois os críticos temem que a Europa seja arrastada para um conflito mais amplo, falando especificamente dos combatentes do grupo islâmico na Síria.

Veja fotos da ação dos terroristas no Iraque

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Ação: Coalizão ataca refinarias para enfraquecer Estado Islâmico

Legisladores britânicos votaram 524-43 em favor da ação. Os belgas também aprovaram a participação esmagadoramente, 114-2, apesar das preocupações generalizadas de que o terrorismo pode mais seguir em sua terra natal como resultado.

Em maio, a Bélgica foi abalada quando um atirador abriu fogo em um museu judaico em Bruxelas, matando quatro pessoas. O suspeito, o cidadão francês Mehdi Nemouche, foi identificado como um militante islâmico que havia voltado da Síria, e os líderes na Bélgica e outros países europeus expressaram seus temores de que outros voltem da Síria e do Iraque para causar mais estragos.

Cenário: Estado Islâmico exibe crimes em sessão de cinema ao ar livre no Iraque

Mais cedo, Cameron convocou uma sessão especial do Parlamento, que estava em recesso, depois de garantir o apoio de todos os partidos para os ataques contra o EI. A previsão é que o governo vença confortavelmente a votação, prevista para o início da tarde.

"Existe uma ameaça para o povo britânico? A resposta é sim", declarou Cameron no Parlamento, dizendo pensar que a ação precisaria levar "anos" para ser eficaz.

Dia 25: Estado Islâmico avança na Síria mesmo com ataques liderados pelos EUA

"Isso não é uma ameaça do outro lado do mundo. Se nada for feito, veremos um califado terrorista às margens do Mediterrâneo e na fronteira de um membro da Otan, com a intenção declarada e comprovada de atacar o nosso país e nosso povo."

Alguns parlamentares do partido de Cameron, o Conservador, consideram que os bombardeios somente no Iraque são insuficientes e querem que ele estenda a ação, para enfrentar também os militantes do EI na Síria, algo que Cameron disse não estar pronto para fazer por enquanto.

Síria: Exército sírio retoma controle de área a nordeste de Damasco

Já políticos da oposicão, membros do Partido Trabalhista, de tendência esquerdista, estão desconfortáveis com a perspectiva de qualquer tipo de ação militar, mas Ed Miliband, o líder da legenda, disse que apoia Cameron nos ataques contra os extremistas no Iraque.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: cameronreino unidoeiilsiriairaque

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas