Enquanto isso, alto funcionário do Kremlin informou que Putin e Poroshenko discutem sobre encontro o mais breve possível

Autoridades do alto escalão militar russo e ucraniano se reuniram nesta sexta-feira (26) para definir os limites de uma "zona tampão" de 30 quilômetros proposta para o leste da Ucrânia, a partir da qual as forças do governo e os separatistas irão recuar, disseram militares de Kiev.

Ontem: Ucrânia pedirá adesão à União Europeia somente em 2020

Soldado ucraniano em veículo blindado perto da cidade ucraniana oriental de Debaltseve
Reuters
Soldado ucraniano em veículo blindado perto da cidade ucraniana oriental de Debaltseve


Dia 22:  Rússia pretende assumir controle da web no país em caso de emergência

Ao mesmo tempo, em Moscou, um alto funcionário do Kremlin informou nesta sexta que o presidente russo, Vladimir Putin, e o ucraniano, Petro Poroshenko, discutiram em conversas telefônicas a possibilidade de se encontrarem sozinhos ou com os líderes da Alemanha e França, mas as datas precisas ainda não estavam definidas.

As autoridades militares ucranianas afirmaram que um grupo tripartite, que incluiu 76 oficiais militares russos e representantes da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), reuniu-se nesta sexta ao norte da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia.

Representantes da Ucrânia, Rússia e da OSCE concordaram no dia 19 em uma reunião na capital bielo-russa, Minsk, em estabelecer uma zona neutra e remover da área artilharia, armas pesadas e minas, como parte das medidas para solidifcar o cessar-fogo pactuado no dia 5.

Otan: Cessar-fogo na Ucrânia é 'só no nome', diz comandante militar

"Esse grupo, em particular, irá trabalhar na definição das linhas de separação e da chamada zona tampão", disse o porta-voz militar ucraniano Andriy Lysenko. "Irá acompanhar o cumprimento dos acordos (de Minsk), separar as partes em conflito e garantir a manutenção desta zona de 30 km", declarou outro oficial militar, Vladyslav Selezyov.

A reunião para criar a "zona tampão" foi a primeira medida concreta depois do cessar-fogo. A Rússia nega qualquer envolvimento militar direto no conflito, no qual mais de 3.000 pessoas foram mortas, ou que esteja armando os separatistas, apesar de o governo da Ucrânia e países ocidentais dizerem que há provas conclusivas sobre isso.

União Europeia

A Ucrânia vai pedir oficialmente adesão à União Europeia (UE) em 2020, anunciou o presidente ucraniano na quinta.

Dia 20: Fábrica de armamento explode em zona controlada por rebeldes na Ucrânia

Dia 19: Bielorússia sedia nova rodada de negociações de paz na Ucrânia

"Vou apresentar um programa de reformas, cuja aplicação permitirá à Ucrânia fazer, em seis anos, um pedido de adesão à União Europeia", disse Poroshenko, ao discursar em um congresso de magistrados em Kiev.

Poroshenko informou que o plano prevê cerca de 60 reformas, além de programas especiais, e destacou a reforma do sistema judicial, destinada a restabelecer a confiança da sociedade na Justiça.

O ucraniano anunciou também que determinou ao governo renunciar oficialmente ao estatuto de não alinhado, uma medida que abre caminho à entrada da Ucrânia na Otan.

Dia 17: Rússia saúda decisão da Ucrânia em conceder status especial a regiões do leste

A Ucrânia assinou em junho um acordo de associação com a UE, que foi ratificado em 17 de setembro pela Rada Suprema (Parlamento ucraniano) e pelo Parlamento europeu.

A crise na Ucrânia obrigou mais de 500 mil pessoas a abandonarem as casas, informou, no dia 2 de setembro, a agência da Organização das Nações Unidas para os refugiados, advertindo que uma escalada da crise poderia "desestabilizar toda a região".

Pelo menos 260 mil pessoas estão deslocadas na Ucrânia e, segundo Moscou, mais 260 mil procuraram asilo na Rússia.

*Com Agência Brasil e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.