Sessões começaram semana passada e acontecem ao ar livre às margens do rio Tigre; o EI incentiva alistamento de voluntários

O Estado Islâmico deu início a sessões de cinema ao ar livre para mostrar vídeos de seus crimes brutais e aterrorizar ainda mais os moradores do norte de Mosul, Iraque, que eles controlam desde junho. As informações são do Indian Today.

Hoje: Estado Islâmico avança na Síria mesmo com ataques liderados pelos EUA

Vídeo do Estado Islâmico mostra a decapitação do britânico David Haines (13/09)
AP
Vídeo do Estado Islâmico mostra a decapitação do britânico David Haines (13/09)


Hezbollah: Exército sírio retoma controle de área a nordeste de Damasco 

Esse espetáculo macabro começou na semana passada entre bosques e matas ao longo das margens do rio Tigre, o único lugar que os iraquianos têm para relaxar e aliviar as tensões causadas pela ocupação da segunda maior cidade do Iraque.

Um enorme número de jovens, crianças e famílias se reuniram no local a espera do programa que extremistas mostrariam nos enormes monitores instalados com esse propósito.

EUA: Luta contra o Estado Islâmico vai durar anos, diz Pentágono

Após as cortinas se abrirem, hinos incentivavam os espectadores a se juntarem ao movimento jihadista sunita e, em particular, ao Estado Islâmico, que ocupa enormes áreas entre os territórios da Síria e do Iraque.

Em seguida, os espectadores ficaram horrorizados ao ver cenas de vários assassinatos sangrentos por carrascos, incluindo decapitações e assassinatos de reféns e prisioneiros de guerra.

O vídeo que chocou a maioria das pessoas mostrou a execução do jornalista britânico David Haines, decapitado por um homem encapuzado com uma faca.

Ontem: EI avança sobre cidade síria após bombardeios liderados pelos EUA

"As cenas sangrentas que eu e minha família vimos são inacreditáveis. ​​Meu filho de 4 anos me perguntou: 'Pai, por que esse homem mata essas pessoas?'. A pergunta me deixou chocado. Não soube o que responder", disse Mohamed Sobhi Jarallah.

Veja fotos da ação dos terroristas no Iraque

Análise: Sob crescente risco, ONGs humanitárias reavaliam trabalho no Oriente Médio

Para Jarallah, uma habitante de Mosul de 34 anos, os extremistas têm mostrado os videos para "convencer as pessoas que decapitação, assassinatos e abusos são o que esperam os opositores do grupo."

"O verdadeiro objetivo é aterrorizar", acrescentou.

O porta-voz dos terroristas, Abu Mohamed al-Adnani, pediu no início desta semana que apoiadores do grupo sunita matem cidadãos dos EUA, França e de todos os países que aderiram a coalizão contra eles.

Ajuda: Refém do Estado Islâmico implora por sua vida em mensagem à família

O colunista e sociólogo Emar Jafar disse que os métodos utilizados pelos jihadistas foram uma tentativa de obter a adesão dos moradores Mosul e utiliza-los a favor do grupo.

"Eles inclusive chamaram crianças e mulheres para o projeto. O terrorismo está sendo mostrado na tela. Isso vai servir também para dissuadir as pessoas que pensam em recuperar sua liberdade", disse Jafar.

"Os extremistas entendem que o filme pode remover a última esperança que resta a eles, bem como qualquer pensamento de resistência", explica o sociólogo.

Vídeo: EUA divulgam imagens do bombardeio contra o Estado Islâmico na Síria

Segundo o ativista Mohamed Hashem, os jihadistas abriram recentemente centros de informação em muitas partes do Mosul, especialmente nas áreas mais populosas.

Os centros são geridos por três ou quatro pessoas vestindo uniforme estilo afegão, distribuindo panfletos e instruções emitidos pelo Tribunal da Sharia e estabelecidos pelo grupo para implementar sua versão radical do Islã.

Esses centros de informação apresentam grandes telas em que mostram as operações militares realizadas pelo EI em várias regiões do Iraque. A organização tenta ganhar o apoio dos cidadãos, de modo a recrutar voluntários para lutar em suas fileiras, especialmente adolescentes e crianças, devido à elevada taxa de desemprego em Mosul, explicou Hashem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.