Diferenças entre o movimento islamita Hamas e a facção Fatah estão relacionadas a questões-chave como o controle de Gaza

Reuters

Facções palestinas se reuniram no Cairo nesta quarta-feira (24) para iniciar dois dias de negociações com o objetivo de resolver um impasse que ameaça as negociações mediadas pelo Egito para transformar o cessar-fogo em Gaza em uma trégua duradoura.

Dia 16: Israel acusa Hamas de violar trégua; grupo diz estar comprometido com acordo

Egípcias choram perto do local onde bomba explodiu em rua movimentada no centro da cidade, perto do Ministério das Relações Exteriores, no Cairo (21/09)
AP
Egípcias choram perto do local onde bomba explodiu em rua movimentada no centro da cidade, perto do Ministério das Relações Exteriores, no Cairo (21/09)


Dia 12: Após conflito em Gaza, Israel busca reaproximação com a América Latina

As diferenças entre o movimento islamita Hamas e a facção Fatah, do presidente palestino, Mahmoud Abbas, estão relacionadas a diversas questões-chave, incluindo o controle de Gaza. O desacordo pode prejudicar um acordo mais amplo com Israel.

O cessar-fogo alcançado no mês passado entre Israel e os palestinos para encerrar o conflito em Gaza inclui uma exigência para que a Autoridade Palestina, liderada por Abbas, assuma a administração civil de Gaza das mãos do Hamas.

Mas uma disputa sobre o não pagamento de salários pela Autoridade Palestina a funcionários do setor público de Gaza elevou as tensões entre as duas principais facções palestinas, aumentando o risco de um retorno ao conflito.

ONG: Human Rights Watch acusa Israel de cometer crimes de guerra em Gaza

Dia 7: ONU pede US$ 47 milhões aos países árabes para reconstruir Faixa de Gaza

Sakher Bseiso, membro do comitê central do Fatah nas conversas, disse à Reuters que as negociações entre Fatah e Hamas incluem temas como segurança, eleições e o governo da Faixa de Gaza.

"As conversas no Cairo vão discutir a permissão ao governo de unidade para assumir seu papel na Faixa de Gaza e (conduzir) relações bilaterais entre os dois movimentos", afirmou.

Moussa Abu Marzouk, vice-presidente do braço político do Hamas, escreveu em sua página no Facebook sobre o "diálogo palestino-palestino", afirmando: "A coisa mais importante de que esse diálogo precisa é de boas intenções, confiança mútua e responsabilidade nacional... e comprometimento com o que foi acertado até agora".

Israelenses e palestinos decidiram na terça-feira retomar as conversas no próximo mês sobre a consolidação do cessar-fogo em Gaza, permitindo mais tempo às facções palestinas para resolverem suas divisões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.