Luta contra o Estado Islâmico vai durar anos, segundo os EUA

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista exclusiva à BBC, porta-voz do Pentágono afirma que grupo tem boa capacidade de se adaptar e reagir a ataques

BBC

Os ataques aéreos liderados pelos EUA interromperam os avanços do autodenominado Estado Islâmico (EI), mas a luta contra o grupo extremista ainda vai levar anos, disse à BBC o porta-voz do Pentágono.

Hoje: Refém do Estado Islâmico implora por sua vida em mensagem à família

Getty Images
Representante do Pentágono falou com exclusividade à BBC


Vídeo: EUA divulgam imagens do bombardeio contra o Estado Islâmico na Síria

"Acreditamos que estamos falando de anos", disse o almirante John Kirby dias após os EUA e países aliados iniciarem ataques aéreos contra o EI na Síria.

A afirmação foi feita no momento em que ativistas relataram novos ataques ao redor da cidade de Kobane, perto da fronteira da Síria com a Turquia. Kobane foi cercada por militantes do Estado Islâmico durante vários dias, forçando cerca de 130 mil curdos sírios a fugir para a Turquia.

Cenário: Entenda os riscos dos EUA e aliados na luta contra o Estado Islâmico

O Estado Islâmico tomou grandes áreas da Síria e do Iraque. Desde agosto, os EUA lançaram cerca de 200 ataques aéreos no Iraque.

Na segunda-feira, os ataques estenderam a campanha para a Síria pela primeira vez. Ativistas dizem que pelo menos 70 militantes do Estado Islâmico, 50 combatentes ligados à Al-Qaeda e oito civis foram mortos nos ataques, que atingiram vários alvos no norte e no leste do país.

Assista: Estado Islâmico divulga segundo vídeo de jornalista britânico sequestrado

'Êxodo' de Raqqa

AP
Refugiados sírios ameaçados pelo Estado Islâmico fugiram para a Turquia

Ontem: Bombardeios liderados pelos EUA matam 70 militantes do Estado Islâmico

Em Washington, o almirante John Kirby disse que os ataques aéreos na Síria tinham diminuído com sucesso o poder do Estado Islâmico. "Achamos que atingimos o alvo", disse ele.

No entanto, ele afirmou que o grupo é competente em se adaptar e reagir a mudanças, e que representa uma "grave ameaça" que não seria eliminada "dentro de dias ou meses."

Vítimas: ONU se prepara para êxodo de até 400 mil curdos sob ameaça do EI

O Pentágono disse que aviões bombardeiros, drones e mísseis de cruzeiro Tomahawk foram usados nos ataques. As ações atingiram a sede do Estado Islâmico, em Raqqa, no nordeste da Síria, bem como áreas de treino, veículos e instalações de armazenamento em várias outras áreas.

O presidente americano, Barack Obama, disse que militantes ligados à Al-Qaeda conhecidos como o Grupo de Khorasan também foram alvo. Os EUA acusam o grupo de planejar "ataques iminentes" contra o Ocidente a partir de um reduto a oeste de Aleppo.

Veja: Refugiada síria dá à luz ao fugir do Estado Islâmico

A ofensiva foi organizada em três ondas distintas, com jatos de combate norte-americanos usados na primeira e nações árabes participando na segunda e na terceira, disseram autoridades militares dos EUA.

Reuters
Menino perto de carro atingido, segundo ativistas, por um ataque aéreo dos EUA na Síria


Ação: EUA e aliados dão início a ataques aéreos contra o Estado Islâmico na Síria

A porta-voz do Departamento de Estado americano, Jan Psaki, disse que os EUA haviam alertado a Síria com antecedência para "não se envolver com aviões dos EUA". Mas ela acrescentou que Washington não pediu permissão ou informou com antecedência sobre a programação dos ataques.

Moradores de Raqqa disseram aos jornalistas que os ataques aéreos tiveram um grande impacto sobre os militantes. Um ativista na cidade, Abu Yusef, disse à agência de notícias AFP que os militantes estão agora "focados em tentar salvar suas próprias vidas".

Dia 22: EUA rejeitam proposta do Irã sobre concessões nucleares em troca de apoio

Abo Mohammed, um morador, disse à Reuters que o principal prédio administrativo da cidade tinha sido atingido por quatro foguetes e que centenas de combatentes que estavam controlando o tráfego e a segurança na rua haviam ido embora.

"Há um êxodo de Raqqa neste momento", disse ele, relatando a fuga não só de militantes, mas também de moradores da cidade.

Distorcendo o Islã

Na terça-feira, Obama elogiou o suporte das nações árabes aos ataques aéreos: "Isto não é uma luta dos EUA sozinhos". Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Jordânia, Bahrein e Catar apoiaram ou participaram dos ataques na Síria, disse o presidente americano.

Luta: Curdos dizem ter interrompido avanço do Estado Islâmico contra cidade síria

O secretário de Estado americano, John Kerry, disse a jornalistas que mais de 50 países concordaram em unir esforços para combater o Estado Islâmico.

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Internet: Estado Islâmico pede para seguidores atacarem cidadãos dos EUA e França

"Nós não vamos permitir que esses terroristas encontrem um refúgio seguro em outro lugar", afirmou.

Em Nova York, o chanceler saudita, príncipe Saud al-Faisal, disse: "Hoje estamos diante de uma situação muito perigosa, já que o terrorismo evoluiu de células para exércitos".

Ele disse que a ameaça havia engolido Líbia, Líbano, Síria, Iraque e Iêmen e "distorcido a imagem do Islã e dos muçulmanos."

Militante: Filho de brasileira deixa a Bélgica para se juntar ao Estado Islâmico

Na segunda-feira, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, defendeu uma coalizão internacional para "destruir" o Estado Islâmico, indicando que se trata de uma luta inevitável.

A BBC apurou que o Parlamento do Reino Unido será chamado na sexta-feira a discutir o possível papel da Grã-Bretanha em ataques aéreos contra alvos de Estado Islâmico.

Rússia: Putin pretende cooperar com países parceiros contra o Estado Islâmico

O presidente sírio, Bashar al-Assad, citado pela imprensa estatal, disse que apoiou todos os esforços internacionais de luta contra o "terrorismo" na Síria.

No entanto, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, um aliado do governo sírio, disse que a ação militar na Síria não tinha "status legal" sem um mandato da ONU ou a aprovação do governo sírio.

Quem é o Estado Islâmico?

Formado a partir da al-Qaeda no Iraque em 2013, o grupo conseguiu conquistar, primeiro, a região de Raqqa, no leste da Síria;

O grupo tomou amplas áreas do Iraque em junho, incluindo Mosul, e declarou um califado nas áreas que controla na Síria e no Iraque;

Fuga: Estado Islâmico amplia cerco a cidade síria; refugiados vão à Turquia

Adepto de uma forma extrema de islamismo sunita, o Estado Islâmico tem perseguido não muçulmanos como yazidis e cristãos, assim como os muçulmanos xiitas, que considera hereges;

Conhecido por suas táticas brutais, incluindo decapitações de soldados, jornalistas ocidentais e trabalhadores humanitários;

Saiba mais: Leia todas as notícias relacionadas ao Estado Islâmico

A CIA diz que o grupo pode ter até 31 mil combatentes no Iraque e na Síria;

Os EUA têm lançado ataques aéreos contra alvos do Estado Islâmico no nordeste do Iraque desde meados de agosto.

Leia tudo sobre: eiileuaobamasiriaassadiraquepentagono

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas