Jordânia inocenta clérigo radical de acusações sobre mortes de turistas

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Abu Qatada foi inocentado das acusações de conspiração em complô; antes ele havia sido extraditado para a Grã-Bretanha

Reuters

O clérigo muçulmano Abu Qatada foi libertado de prisão jordaniana nesta quarta-feira (24) depois de ter sido inocentado das acusações de conspiração em um complô para atacar turistas - sua segunda absolvição deste ano depois de um longo processo de extradição da Grã-Bretanha.

2013: Reino Unido perde apelação para deportar imã radical Abu Qatada

AP
Familiares e amigos de pregador radical ligado a al-Qaeda, Abu Qatada, centro, estendem as mãos para cumprimentá-lo depois de ele ter sido absolvido em Amã, Jordânia


Leia também: Imã radical Abu Qatada é libertado no Reino Unido

O Tribunal de Segurança do Estado na capital, Amã, determinou que não havia provas suficientes para as acusações contra o pregador radical - de oferecer apoio espiritual e material para um ataque planejado durante as celebrações de ano-novo na Jordânia em 2000.

"Abu Qatada foi libertado da prisão e está agora a caminho de casa", disse uma fonte judicial à Reuters.

Sorridente e vestido com uniforme de prisão, o clérigo já havia acenado para a família na sala do tribunal depois que o veredicto foi anunciado, disse uma testemunha.

Sua mulher e familiares se abraçaram e gritaram "graças e louvor a Deus!" após a decisão, que o veredicto por escrito do juiz Ahmad Qatarneh definiu como unânime, disseram testemunhas.

Abu Qatada foi extraditado da Grã-Bretanha no ano passado depois de um longo processo legal, e absolvido em junho, em um caso separado, de acusações de conspiração para cometer atos de terrorismo. Essa absolvição também foi baseada na falta de provas.

Em Londres, um porta-voz do Ministério do Interior disse ser um alívio que o clérigo não esteja mais na Grã-Bretanha e não representa mais uma ameaça à segurança do país, pois nunca poderá voltar.

"Os tribunais britânicos concordaram que Abu Qatada representava uma ameaça para a segurança nacional. Ele continua sendo alvo de uma ordem de deportação e uma proibição de viajar, por parte das Nações Unidas. Ele não vai voltar para o Reino Unido", afirmou a porta-voz.

Na sessão de quarta-feira a promotoria argumentou que o clérigo foi um mentor de células de militantes na Jordânia, enquanto estava na Grã-Bretanha, fornecendo-lhes apoio espiritual e material durante o final da década de 1990.

Leia tudo sobre: jordaniaclerigogra bretanhaal qaedaqatarnehqatadareino unido

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas