Genro do Bin Laden é condenado à prisão perpétua nos EUA

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sulaiman Abu Ghaith era porta-voz da al-Qaeda desde o 11 de Setembro; ele foi considerado culpado por crime de terrorismo

BBC

Um tribunal de Nova York condenou nesta terça-feira (23) um genro do fundador da al-Qaeda, Osama Bin Laden, à prisão perpétua.

Sexta: Sírios filiados à al-Qaeda matam soldado libanês que era mantido em cativeiro

AFP
Sulaiman Abu Ghaith atuava como porta-voz da al-Qaeda desde os atentados de 11 de setembro de 2001


Sulaiman Abu Ghaith, de 48 anos, que atuava como porta-voz do grupo fundamentalista islâmico desde os atentados de 11 de setembro de 2001, foi considerado culpado por crimes de terrorismo.

Ele também é a figura do mais alto escalão da al-Qaeda a enfrentar julgamento em solo americano. Nascido no Kuwait, Abu Ghaith foi capturado na Jordânia no ano passado e levado para os Estados Unidos.

Em março, um júri declarou Abu Ghaith culpado de conspiração para matar americanos e de ajudar a al-Qaeda.

Papel 'religioso'

Durante o julgamento, vídeos em que Abu Ghaith ameaçava os Estados Unidos foram exibidos aos jurados.

O ex-porta-voz da al-Qaeda alegou que seu papel na organização era puramente religioso. A intenção, segundo ele, era encorajar os muçulmanos a se insurgir contra seus opressores.

Ele confirmou que Bin Laden lhe pediu para ser o porta-voz da al-Qaeda na noite dos ataques de 11 de setembro. Abu Ghaith é casado com a filha mais velha de Bin Laden, Fatima.

O fundador da al-Qaeda foi morto por forças americanas em maio de 2011 em seu esconderijo no Paquistão.

Leia tudo sobre: al qaedabin ladenfatimapaquistaoeuanyghaith

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas