China é acusada de produzir instrumentos de tortura para exportação

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Anistia Internacional denunciou mais de 130 empresas do país por enviar ao exterior equipamentos como armas de choque

BBC

A Anistia Internacional denunciou mais de 130 empresas chinesas por suposto comércio de equipamentos policiais que poderiam ser usados em ações de tortura e abusos de direitos humanos. Entre os instrumentos estão armas de choque, cassetetes com cravos de metal e cadeiras para contenção de suspeitos em interrogatórios.

AP
Instrumentos de tortura eram fornecidos a nações com histórico de abuso a direitos humanos

Segundo a correspondente da BBC em Pequim, Celia Hatton, apenas uma das empresas denunciadas teria lucrado mais de US$ 100 milhões por ano fornecendo cassetetes elétricos e algemas para dedos para 40 países da África.

Muitos desses produtos poderiam ser usados em ações policiais legítimas, mas teriam sido fornecidos para nações com histórico de abusos de direitos humanos. De acordo com o relatório, equipamentos também teriam sido vendidos para nações do sudeste da Ásia.

Leia também:
China proíbe uso de provas obtidas com tortura
ONU acusa Coreia do Norte de cometer crimes contra a humanidade

A chancelaria chinesa disse à agência de notícias Reuters por meio de uma porta-voz que o relatório da Anistia seria duvidoso: "Essa organização internacional é sempre tendenciosa contra a China e duvidamos da autenticidade do relatório que foi divulgado".

Itens
A Anistia Internacional listou ao menos três principais classes de itens que classificou como "instrumentos de tortura moderna". A primeira é formada basicamente por cassetetes elétricos que em tese permitem aplicar choques em áreas sensíveis do corpo, como genitais, virilha ou orelhas sem deixar marcas das agressões.

A segunda são cassetetes com cravos de metal fabricados sistematicamente apenas na China, mas que, segundo a entidade, seriam exportados para o Camboja e repassados ao Nepal e à Tailândia.

A última classe é a das algemas de pernas, de pescoço e cadeiras de retenção. Esses aparelhos seriam capazes de dificultar a respiração e a circulação sanguínea das vítimas. Ele seriam usados por forças policiais de diversos países, incluindo aqueles com histórico de abusos de direitos humanos.

A Anistia Internacional afirmou que todos esses equipamentos e armas fabricados na China são abusivos e contrários aos padrões internacionais de respeito aos direitos humanos praticados por forças de segurança.

Leia tudo sobre: torturachina

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas