Descoberta de tumba misteriosa anima gregos em meio à crise econômica

Por BBC | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Encontrada em Anfípolis, enorme tumba dos tempos de Alexandre, o Grande ajudou a valorizar terrenos da cidade

BBC

O mistério sobre quem está enterrado em uma enorme tumba dos tempos de Alexandre, o Grande, descoberta no início de agosto na Grécia, entusiasmou os gregos e trouxe esperanças de melhora no cenário de crise econômica que o país enfrenta.

Divulgação
Túmulo, o maior já encontrado no país, atraiu turistas e valorizou terrenos em cidades gregas

O túmulo, o maior já encontrado no país, fica em Anfípolis. A expectativa de que alguém da família de Alexandre - ou, para habitantes do local, até mesmo o próprio - possa estar enterrado no local atraiu turistas e valorizou terrenos na cidade e em sua vizinha, Mesolakkia. "Podemos ter ganhado na loteria", disse o prefeito de Mesolakkia.

Os moradores afirmam que já foram procurados com ofertas para vender suas terras. A maioria precisa do dinheiro, mas está esperando até que os arqueólogos que encontraram a tumba façam o anúncio final sobre a identidade de seu dono.

"Antes da descoberta, a terra não valia quase nada. Mas agora ninguém quer vender", diz o morador Menia Kyriakou. A descoberta também deu início a uma onda de orgulho e patriotismo.

O ministro da cultura, Konstantinos Tasoulas, disse que a descoberta é um lembrete de que a Grécia é o "berço de uma civilização insuperável e um país que merece, com este capital (cultural) único e suas realizações atuais, reivindicar o seu retorno ao progresso e prosperidade".

Descoberta
A tumba foi descoberta após dois anos de trabalho comandados pela arqueóloga Katerina Peristeri. O monte onde está localizada fica na antiga Anfípolis, uma grande cidade do reino da Macedônia, a 100 km a leste de Thessaloniki, a segunda maior cidade da Grécia.

A estrutura remonta ao final do século IV A.C. e o muro ao redor dela tem 500 metros de circunferência, superando o local do enterro do pai de Alexandre, Filipe 2º, em Vergina, a oeste de Salônica.

"Essa é uma tumba de dimensões únicas e impressionante maestria artística. Os mais belos segredos estão escondidos logo abaixo de nossos pés", disse à BBC o ministro da Cultura, Tasoulas.

Desenho mostra duas esfinges na frente e duas cariátides guardando o local atrás

Dentro da tumba, os arqueólogos descobriram duas cariátides (figuras femininas que funcionam como pilastras). Cada uma foi esculpida com um braço estendido, provavelmente para desencorajar intrusos a adentrar na câmara principal do túmulo.

Os equivalentes modernos das cariátides ficam em um carro da polícia, a cerca de 200m da entrada do túmulo -o sítio arqueológico é protegido 24 horas por dia por dois policiais.

Sua missão é manter longe as dezenas de jornalistas e turistas que chegam ao local por uma estrada de terra sinuosa da aldeia vizinha de Mesolakkia.

Mas isso não impediu que a mídia, os arqueólogos e curiosos se envolvessem em um jogo de adivinhação animado.

Os arqueólogos concordam que a magnificência do túmulo significa que ele foi construído para uma pessoa importante - talvez um membro da família imediata de Alexandre; pode ser sua mãe, Olímpia, ou sua esposa, Roxana -ou algum nobre macedônio.

Outros dizem que ele poderia ser um cenotáfio, memorial fúnebre construído para homenagear uma pessoa enterrada em outro local.

Mas só a equipe de escavação pode dar respostas definitivas, e o progresso dos trabalhos tem sido lento desde que os trabalhadores descobriram uma terceira câmara, que está em perigo de desabamento.

Os especialistas não chegaram a um veredito, mas, para as poucas centenas de habitantes da moderna Anfípoli e Mesolakkia, as duas aldeias mais próximas ao local onde foi encontrado o monumento, não há dúvida: enterrado dentro do túmulo de mármore perto de suas casas está o próprio Alexandre, o Grande.

"Só Alexandre merece um monumento tão grandioso", diz o agricultor Antonis Papadopoulos, de 61 anos.

Arqueólogos e o Ministério da Cultura grego alertam sobre as especulações, especialmente porque é sabido que Alexandre, o Grande, foi enterrado no Egito.

"Estamos naturalmente ansiosos para descobrir a identidade de residente da tumba, mas isso será revelado no tempo certo pelos escavadores," disse o ministro.

Leia tudo sobre: gréciaalexandreo grande

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas