Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, militantes do grupo não tiveram avanço significativo nas últimas 24 horas

Combatentes curdos sírios conseguiram deter o avanço de rebeldes do Estado Islâmico ao leste de uma cidade perto da fronteira da Turquia, disse um porta-voz de um grupo armado curdo nesta segunda-feira (22).

Hoje: Estado Islâmico pede para seguidores atacarem cidadãos dos EUA e França

Soldados turcos montam guarda enquanto curdos sírios esperam atrás de cerca na fronteira perto da cidade do sudeste de Suruc, província de Sanliurfa
Reuters
Soldados turcos montam guarda enquanto curdos sírios esperam atrás de cerca na fronteira perto da cidade do sudeste de Suruc, província de Sanliurfa


Mais cedo: Filho de brasileira deixa a Bélgica para se juntar ao Estado Islâmico

"Duros confrontos ainda estão em andamento, mas o avanço do Estado Islâmico ao leste de Kobani foi interrompido desde a noite passada", disse Redur Xelil, porta-voz do principal grupo armado curdo, o YPG, via Skype.

Segundo ele, a frente oriental foi palco da mais dura batalha na ofensiva lançada pelo Estado Islâmico na terça-feira passada sobre Kobani, conhecida em árabe como Ayn al-Arab.

Mais de 100 mil curdos sírios, motivados por medo do Estado Islâmico, fugiram por conta do avanço do grupo extremista, e dezenas de milhares cruzaram a fronteira para dentro da vizinha Turquia.

Rússia: Putin pretende cooperar com países parceiros contra o Estado Islâmico

O Observatório Sírio de Direitos Humanos, que monitora a violência na guerra síria, disse que combatentes do Estado Islâmico não tiveram avanço significativo nas últimas 24 horas.

A ofensiva é a segunda tentativa do Estado Islâmico de tomar Kobani desde junho, quando o grupo lançou uma ofensiva relâmpago no Iraque, tomando a cidade de Mossul e se apoderando de armamentos iraquianos, incluindo equipamentos fabricados nos EUA, os quais os curdos sírios dizem estar sendo utilizados contra eles agora.

Ontem: Estado Islâmico amplia cerco a cidade síria; refugiados vão à Turquia

Leia: Curdos fazem nova chamada para combate a Estado Islâmico na Síria

O ataque anterior contra Kobani, em julho, foi repelido com a ajuda de curdos que cruzaram a fronteira, vindos da Turquia. Xelil disse que centenas haviam vindo do país vizinho novamente para ajudar a combater a atual ofensiva.

"Não houve reforços além de alguns jovens curdos da Turquia", disse ele.

Os EUA lançaram ataques aéreos contra o Estado Islâmico no Iraque e disseram que não hesitarão em atacar novamente o grupo na Síria, mas quer que seus aliados também entrem nessa campanha.

Síria-Turquia

A Organização das Nações Unidas informou no domingo que o número de curdos sírios que havia ido para a Turquia pode ter superado 100 mil, e deve ficar ainda maior. De acordo com dados do governo turco divulgados nesta segunda, mais de 130 mil curdos sírios entraram no país.

Cristina Kirchner: Presidente da Argentina diz ter recebido ameaças do EI

"Ainda há confrontos no oeste e no sul de Kobani, mas não da mesma intensidade do que no leste", disse Xelil.

No domingo, o Acnur havia divulgado que 70 mil curdos sírios fugiram para a Turquia tentando escapar do EI. A Turquia abriu na sexta-feira (19) as suas fronteiras aos refugiados sírios que, no dia anterior, começaram a abandonar a localidade de Ain Al Arab, cercada pelos combatentes do grupo extremista sunita.

Ain Al Arab, a terceira maior cidade curda da Síria, tinha sido relativamente poupada pelo conflito e chegou a servir de abrigo a cerca de 200 mil sírios deslocados, segundo a ONU.

Sequestro: Presidente turco diz que não pagou resgate pela libertação de reféns

Entretanto, o recente aumento da atividade dos jihadistas do EI na região e o cerco que fizeram à cidade levou muitas pessoas a fugirem, principalmente curdos.

*Com Agência Brasil e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.